Nas Bancas

Todas as vezes que a família real britânica processou a imprensa

Meghan moveu recentemente um processo contra um jornal britânico por este ter violado correspondência privada. No passado, Carlos, Diana e até a rainha já moveram processos do mesmo género.

CARAS
9 de outubro de 2019, 16:16

O príncipe Harry fez saber recentemente que Meghan processou um jornal britânico por este ter publicado uma carta privada que a duquesa enviou ao seu pai, Thomas Markle, e que este disponibilizou à publicação em questão.

Num sentido comunicado partilhado na página oficial dos duques de Sussex, Harry afirmou que a sua mulher se tornou "numa das últimas vítimas da imprensa sensacionalista britânica", fazendo uma alusão à mãe e sublinhando que não quer que se repita com Meghan o que aconteceu com Diana, que foi vítima das mesmas publicações.

Mas esta já não é a primeira vez que um elemento da família real decide mover um processo contra a imprensa.

Em 2012, William e Kate moveram uma ação judicial contra a revista francesa Closer, para que não voltasse a publicar fotografias da duquesa em topless, como fez naquele ano, depois de umas imagens obtidas enquanto o casal se encontrava de férias. Seis pessoas foram detidas por estarem relacionadas com a autoria e publicação das fotografias e os duques receberam mais de cem mil euros por danos, em 2017.

A rainha Isabel II já processou o The Sun duas vezes por incumprimento dos direitos de autor. A primeira vez foi em 1988, quando o jornal chegou a um acordo com a monarca, depois de publicar uma foto privada da família, que tinha sido roubada. A segunda vez foi em 1993, quando o mesmo jornal publicou o conteúdo da mensagem de Natal da rainha dois dias antes da sua transmissão. A publicação acabou por pagar como multa um total de 225 mil euros a organizações de beneficência.

Já em 2003 a monarca conseguiu impedir que o Daily Mirror de publicar novas revelações sobre o que se passava dentro do palácio de Buckingham, depois de o jornalista Ryan Parry se ter feito passar por empregado, conseguindo assim aceder a factos do quotidiano da família real.

Regressando a 1993, foi a vez de Diana empreender ações legais contra o Mirror Group Newspapers, depois de terem publicado fotos da princesa a fazer exercício físico no ginásio. O assunto acabou por ser resolvido fora dos tribunais, mas o valor da multa nunca foi tornado público.

Por fim, o príncipe Carlos obteve uma ordem judicial contra Wendy Berry, uma ex-governanta, que publicou um livro, O Diário da Empregada: Carlos e Diana antes da rutura, que foi colocado à venda nos Estados Unidos. Mais tarde, o príncipe conseguiu uma ordem judicial que lhe permitiu receber todos os direitos de autor.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras