Nas Bancas

Liliana Campos partilha fotografia inédita do pai: "Era o meu porto seguro"

Apesar de terem passado mais de 20 anos da sua morte, a apresentadora não esconde a falta que sente no seu dia-a-dia.

CARAS
15 de janeiro de 2020, 09:46

Liliana Campos recorreu à sua ocnta pessoal de Instagram esta quarta-feira, 15 de janeiro, para recordar uma figura crucial na sua vida: o pai. Foi há 24 anos que o progenitor da apresentadora faleceu. Volvidas mais de duas décadas, a apresentadora de "Passadeira Vermelha" não esquece cada detalhe, cada aprendizagem.

"Pai. 24 anos sem ti! Exactamente metade da minha Vida! Fez-me tanta falta, que ninguém imagina!! Faz-me... Dou conta disso, quando o que vai no meu Coração é exactamente o que sempre foi. De uma forma confusa, o que quero partilhar, de bom e de mau é exactamente o mesmo. Desde os 24 anos que passei a ter que tomar decisões, sem nunca ter a certeza do que estava a fazer. Sempre a pensar que conselhos é que me daria! O Pai tinha sempre a solução para tudo, ou quase tudo... Era o meu porto seguro. Foi com o Pai que aprendi a ver ainda novinha o Telejornal do início ao fim, a ouvir debates políticos e me viciei em programas desportivos", começa por dizer numa longa publicação.

E prossegue: "Aos domingos discutíamos o golo da jornada e eu sei que achava graça às minhas opiniões, desde que não colocassem em causa seu Sporting. Aos sábados era o Expresso. Foi o Pai que me instigou a ler todas as semanas aquele jornal de tamanho XXL. O Pai era só a pessoa mais culta e mais inteligente que eu já conheci. Sabia tudo sobre tudo. E tinha necessidade de saber cada vez mais. Nunca nenhuma pergunta minha ficou sem resposta. Tínhamos conversas intermináveis pela noite dentro. Éramos notívagos! Eu a estudar, o Pai a ler. Bebíamos chá no inverno e Tang no verão. Era um Pai 'cool' como diziam as minhas amigas e as primas. Tinha um sentido de humor muito apurado e adorava umas boas gargalhadas. Raramente o vi zangado, mas não me esqueço do dia em que com esses olhos verdes quase me bateu por eu estar a mentir-lhe e manter a minha. Sportinguista ferrenho , dizia que o maior desgosto da sua Vida era ter uma filha do Benfica! Logo do Benfica! Tornei-me benfiquista para ser do contra."

Liliana lembra ainda a relação terna e especial que sempre manteve com o pai e a forma difícil como sobreviveu à sua partida: "Sempre fui a menina do Papá , desde que nasci, até o Pai partir... e partiu de repente! Sem tempo de eu poder agradecer, de dizer quanto o amava. Sem tempo de me despedir... Hoje acho preferível que tenha sido assim, mas na altura era tão novinha Fiquei sem chão e sem Alma, durante anos.... Dava tudo para voltar a sentir o seu abraço forte, de um Homem Grande... e de um Grande Homem com um Coração Enorme ... e de voltar ouvir: Palhuça vai buscar o rádio ao Pai... Anda cá Pinguças, vai começar o 'Alô, Alô'."
.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras