Nas Bancas

Exclusivo CARAS: Cláudia Vieira fala sobre a filha Maria e a relação com João Alves

A atriz assume que atravessa uma fase muito positiva ao lado do namorado, João Alves, e da filha, Maria.

Vanessa Bento
9 de julho de 2019, 11:02

Cláudia Vieira estava na reta final das gravações de Alma e Coração (e ainda não tinha anunciado a gravidez) quando a encontrámos na Aroeira, num sábado à tarde, a fazer a nova campanha da Compal para apresentar o sabor deste verão, Goiaba/Pitaia. E, apesar do cansaço, foi com um sorriso rasgado que recebeu a CARAS para uma conversa num intervalo das gravações deste anúncio. Porque é com esta atitude alegre e doce que a atriz encara tudo o que faz. E é nos mesmos termos que a vida lhe retribui.
Depois de quase dois anos de telenovelas ininterruptas, Cláudia quer agora aproveitar da melhor maneira o seu verão com a filha, Maria, de nove anos, e com o namorado, o empresário João Alves, com quem mantém uma relação há cerca de cinco anos. Sobre projetos, admite: “Gostava que o próximo projeto dentro do canal fosse ligado à apresentação, mas não está ainda nada definido. Por agora, o verão é meu.”

– O mote desta campanha da Compal é a “estrela do verão”. Adaptando-o, sente-se a estrela da sua própria vida?

Cláudia Vieira – Da minha própria vida... Convém ser, se bem que, quando temos filhos, nunca nos sentimos a 100 por cento as estrelas das nossas vidas. Mas sou muito apaixonada pelo que faço, pela minha carreira e por alimentar a minha carreira. E tenho tentado fazer dela um caminho cheio de brilho, com bons desafios. É muito bom ter uma carreira da qual me orgulho muito.

– Olhando para esse percurso profissional e pessoal, sente que está onde queria estar e que é a mulher que queria ser?

– Nunca fui muito de traçar grandes objetivos e pensar que no futuro queria fazer isto ou aquilo. O que mais quero é ter uma carreira diversificada, sem medo de aceitar os desafios que vão surgindo. E a verdade é que tenho embarcado nas aventuras com alguma facilidade, e são essas minhas predisposição, disponibilidade e entrega que têm feito com que as coisas surjam e me sinta muito realizada. Mas se alguma vez pensei que aos 40 ia ter esta carreira, com este posicionamento? Nunca. As coisas foram acontecendo naturalmente.

– Acredita que tudo o que tem recebido da vida também é fruto da forma como a encara e da energia que lhe devolve?

– Tenho esse lema: acredito que com a energia que colocamos nas coisas transformamos tudo à nossa volta. Acho que tenho promovido ou feito por que muitas coisas me tenham vindo parar às mãos, porque sou muito positiva, sou otimista, sou de entrega, de paixão. Estou a passar uma fase de muito trabalho, sinto-me cansada, mas continuo muito empolgada, motivada e realizada. E é esta capacidade de sonhar, este entusiamo, que quero manter.

– Estando a Maria cada vez mais crescida, a decisão de ela não aparecer totalmente fica cada vez mais difícil? Essa gestão irá inevitavelmente passar por ela também?
– Pois, ela tem cada vez mais noção sobre aparecer ou não, e até já nos perguntou porquê, tendo em conta que ela não é atriz. E tem toda a legitimidade para nos questionar sobre isto. Mas, como lhe explicámos, os pais são atores e ela é parte primordial das nossas vidas, por isso é uma gestão que se vai fazendo quase com pinças. A decisão inicial foi de não a partilhar e não me arrependo nem um pouco. Se daqui a uns tempos ela quiser fazer parte deste meio... Nós vivemos dentro de um contexto e o contexto dela é este. Esta é a normalidade para ela, e a Maria sabe perfeitamente que o trabalho da mãe não é mais nem melhor do que o trabalho de outras mães só porque apareço na televisão. E quero muito que ela cresça com esta consciência de que não é mais nem menos do que ninguém por ser minha filha e do Pedro [Teixeira].

– E ela já demonstra alguma vontade de lhe seguir as pisadas?
– Ela diz sempre que não. Mas depois há todo um comportamento e atitude que contraria essa afirmação. [Risos.]


– Estando a Maria com nove anos, as preocupações e os desafios já começam a ser diferentes. Preparada para a ver tornar-se mais independente?
– Não estou nada preparada para isso. Ela tem nove anos, mas são uns nove anos crescidos... E eu não estou preparada, mas quero estar. E acho que na altura certa irei estar. O dia a dia ensina-nos a estarmos preparadas para todas as fases dos nossos filhos.

– Esta fase que vive hoje, de realização e de serenidade, também acontece muito por causa da relação que mantém com o João?
– Sim, sem dúvida. A gestão da própria relação, a forma como as coisas foram acontecendo, não ser tudo uma coisa galopante... A vida vai fazendo acontecer, e isso é muito bom. Estou mesmo muito feliz.

Sente que vive hoje um amor que a completa?
– Este é um amor diferente dos amores que já vivi. Não sendo eu uma mulher de muitos amores, mas sim de amores muito longos, este é um amor sereno, que me faz feliz, que me faz sorrir. Esta é, de facto, uma fase muito especial da minha vida.

Cláudia Vieira mostra a barriguinha em novo vídeo adorável:

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras