Nas Bancas

BeFunky-collage.jpg

João Lima

Andreia Rodrigues confidencia: “Equacionei não ter filhos, pus todas as hipóteses”

Mãe há sete meses, a apresentadora continua a ajudar mulheres que, tal como ela, tiveram de lidar com a perda gestacional.

Marta Mesquita
27 de janeiro de 2019, 15:06

Em setembro, Andreia Rodrigues, de 34 anos, contou no seu blogue, Coisas Nossas, que tinha sofrido dois abortos antes do nascimento da filha, Alice, agora com sete meses. Devido a esta partilha tão íntima, a apresentadora da SIC recebeu milhares de mensagens de mulheres que passaram pela mesma experiência e que procuravam uma palavra de conforto. Querendo combater o estigma, Andreia fala abertamente deste tema, defendendo: “Se a minha história ajudou uma só mulher, já fez todo o sentido.”
Aproveitando o 5.º aniversário da loja Torres Joalheiros Avenida, a CARAS conversou com a mulher de Daniel Oliveira, diretor de Programas da SIC, sobre a forma como ultrapassou a perda gestacional, mas também sobre estes tempos felizes da maternidade que agora vive.
– Tem estado muito dedicada à sua filha, conduzindo apenas algumas emissões pontuais na SIC. Já sabe quando é que vai voltar à antena de forma mais permanente?
Andreia Rodrigues – Ainda não. Penso que volto neste primeiro semestre do ano, pois era isso que estava previsto, mas não sei datas concretas. Estou a aguardar, mas quero e preciso de trabalhar. Também continuo a apostar no digital e no meu blogue. Nestes últimos meses não estive tão ativa, mas já comecei a fazer novos conteúdos e quero continuar a partilhar histórias.
– E, por falar em partilhar histórias, no final de setembro decidiu contar no seu blogue que sofreu dois abortos antes de conseguir engravidar da Alice. Ficou surpreendida com a repercussão que a sua partilha teve?
– Fiquei. Depois de sofrer o segundo aborto [em abril de 2017], percebi que um dia teria de falar sobre isso. Sabia que muitas pessoas estavam a viver o mesmo que eu e que aquilo também as sufocava. Mas não era aquele o momento certo, não estava preparada. Na semana em que decidi fazer essa partilha estive com uma pessoa que me perguntava pela Alice e nas suas palavras ouvi-me a mim mesma. Percebi que as suas perguntas não estavam só relacionados com a Alice. Ela perguntava-me se tinha corrido tudo bem, se tinha engravidado logo, se não tinha apanhado nenhum susto, e eu revi-me em todas essas questões. Cheguei a contar a minha história a outras pessoas como se fosse a de outra mulher! E isso não faz sentido. Dói muito, mas não nos podemos sentir amarradas, espartilhadas, culpadas e envergonhadas por termos uma gestação que não progride. Se a minha história ajudou uma só mulher, já fez todo o sentido.

Leia esta entrevista na íntegra na edição 1223 da revista CARAS.
Assinatura Digital

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras