Nas Bancas

Madalena da Suécia e Chris O’Neill: Tudo a postos para um casamento grandioso

A cerimónia realiza-se este sábado, 8 de junho, em Estocolmo.

Redação CARAS
7 de junho de 2013, 11:30

Paróquia da família real sueca e dos seus funcionários, a capela do Palácio Real de Estocolmo, exuberante exemplar do estilo barroco, acolheu no passado dia 19 de maio a proclamação dos banhos – intenção de casamento – de Madalena Teresa Amélia Josefina Bernadotte, de 30 anos, e de Christopher Paul O’Neill, de 38. E porque a dita Madalena é filha dos reis Carlos Gustavo e Sílvia da Suécia, a cerimónia religiosa que a unirá ao financeiro nova-iorquino será, também ela, celebrada naquele templo, no próximo dia 8, a partir das 16h00. Um casamento que, apesar de não ter a pompa que teve o da princesa herdeira, Victoria, com Daniel Westling, em junho de 2010, reunirá, ainda assim, alguns representantes das famílias reais europeias, entre os quais os príncipes Frederico e Joaquim da Dinamarca com as respetivas mulheres, Mary e Marie, Haakon e Mette-Maritt da Noruega ou Sophie e Eduardo de Inglaterra, aos quais se juntarão certamente alguns elementos da alta finança nova-iorquina.
Terminada a celebração, que será presidida pelo arcebispo emérito de Estocolmo, Lars-Göran Lönnermark, os noivos farão o percurso entre o palácio de Estocolmo e o embarcadouro da ilha de Riddarholmen no Landau das Lanternas de Prata, o que permitirá aos súbditos suecos vê-los de perto e felicitá-los. Chegados àquela ilha, seguirão a bordo de uma barcaça real até à ilha de Lovön, onde se situa o Palácio de Drottningholm, o imponente edifício setecentista, Património Universal da UNESCO, onde os reis residem desde 1981 e onde Madalena nasceu e cresceu, e que será cenário do banquete nupcial, servido por Stefano Catenacci, prestigiado chef que também confecionou o de Victoria.
Mantido no segredo dos deuses está, naturalmente, o vestido da noiva. Especu­la-se, ainda assim, que a escolha possa ter recaído sobre Valentino, um dos criadores de eleição de Madalena, que deverá levar o véu que desde 1857 todas as princesas da dinastia Bernadotte têm usado, e, a prendê-lo, talvez opte pela mesma joia que a mãe e a irmã usaram nos seus casamentos, a Tiara dos Camafeus, que pertenceu à mulher de Napoleão Bonaparte e sua antepassada, a imperatriz Josefina.
Depois de casados, Madalena e Chris vão continuar a viver em Nova Iorque, onde se conheceram em finais de 2010, pouco tempo depois de a princesa se ter refugiado naquela cidade para esquecer o desastre que foi a sua anterior história de amor – recorde-se que em agosto de 2009 foi anunciado o noivado da princesa com o advogado Jonas Bergström, com quem namorou sete anos, mas que em abril de 2010 o mesmo foi cancelado, na sequência de uma infidelidade de Bergström. A relação da princesa com o corretor tornou-se pública em janeiro de 2011, quando os dois foram filmados a passear de braço dado no Central Park.
Nascido em Inglaterra, mas também com nacionalidade americana, Chris é filho de Paul O’Neill, falecido em 2004, e de Eva Maria O’Neill, uma conhecida socialite austríaca radicada nos EUA que em tempos terá tido um caso com o príncipe Carlos de Inglaterra. Certamente para evitar ser acusado de desejo de protagonismo, O’Neill rejeitou qualquer título, como divulgou há dias a Casa Real Sueca, adiantando que Madalena continuará em quarto lugar na linha de sucessão ao trono sueco e manterá os títulos de duquesa de Hälsingland e Gästrikland.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras