Nas Bancas

Victoria da Suécia e Daniel Westling

Victoria da Suécia e Daniel Westling

Atlântico Press

Victoria da Suécia não pode ser acusada de corrupção

Foram apresentadas várias queixas em tribunal por a princesa e o marido terem beneficiado de uma lua-de-mel paga por um multimilionário sueco.

Andreia Guerreiro
21 de agosto de 2010, 17:39

Quando regressaram de uma lua-de-mel de sonho no Pacífico, a princesa Victoria da Suécia e o marido, Daniel Westling, foram acusados de corrupção por terem recebido a viagem como presente de casamento do empresário sueco Bertil Hutl. Contudo, o processo já foi arquivado, uma vez que a legislação em vigor impede que um membro da família real seja acusado de corrupção."Os membros da família real não são funcionários de Estado em sentido estrito, como o são um primeiro-ministro ou um diretor-geral. A princesa Victoria herdou a sua posição e não pode incluir-se nessa categoria. Isso quer dizer que, mesmo que alguém tenha tentado suborná-la, ela nunca poderá ser acusada de suborno", explicou Gunnar Stetler, procurador-geral contra a corrupção na Suécia.

Ainda assim, as autoridades a quem foi entregue o caso já tinham revelado que se tratava de um presente privado e que em nada tinha a ver com os interesses dos restantes suecos.

*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras