Nas Bancas

Alexandra de Cadaval garante: “Sou uma pessoa simples, lutadora e sigo sempre as minhas convicções”

A diretora e coordenadora artística do Festival de Músicas Sagradas de Évora partilhou os motivos que a levaram a dedicar a sua vida à ajuda humanitária e à preservação do património cultural de comunidades na Índia e em Moçambique.

Marta Mesquita
21 de julho de 2012, 16:00

Alexandra de Cadaval, de 30 anos, nasceu no seio de uma das mais prestigiadas famílias nobres portuguesas: é a filha mais nova de Jaime Álvares Pereira de Melo, 10.º duque de Cadaval, e da sua segunda mulher, Claudine. A sua condição privilegiada, no entanto, nunca a fez viver numa ‘bolha’ e cedo percebeu que a sua vocação era servir aqueles que mais precisam. Um dia, Alexandra abandonou o conforto da sua vida em Portugal e partiu para a Índia. Mais tarde, foi para Moçambique, onde se tem dedicado à ajuda humanitária e à preservação do património cultural de várias comunidades fragilizadas.
Alexandra, que é irmã da atual duquesa de Cadaval, Diana, esteve recentemente no nosso país para preparar o Festival de Músicas Sagra­das de Évora, que se realizou no Palácio Cadaval e na contígua Igreja dos Lóios. A CARAS aproveitou esta passagem por Portugal para conversar com Alexandra sobre as aventuras que tem vivido além-fronteiras.
A Alexandra tem-se dedi­cado à ajuda humanitária e à preservação cultural de pequenas comunidades. Porque é que decidiu partir para a Índia e, depois, para Moçambique, deixando a vida confortável que tinha em Portugal?
Alexandra de Cadaval
– Algum tempo depois de ter perdido o meu pai, decidi ir à Índia para começar a praticar ioga. E o que ia ser apenas uma viagem de dois meses durou um ano e meio. Foi nessa altura que me comecei a envolver com estes trabalhos antropológicos de preservação cultural. E quando estava na Índia, fui convidada pela a Associação Portuguesa de Apoio a África (Apoiar) para ir fazer a gestão de dois projetos de ajuda humanitária em Moçambique, país onde continuo a viver. Agora criei lá a minha ONG, hOUVE. Tentamos preservar o património cultural imaterial e intervimos no campo humanitário quando as comunidades estão muito fragilizadas. Acho que é a minha vocação. Não foi uma escolha. É um caminho que me vem do coração. Tive a sorte de, através do nosso festival em Évora, ter conhecido o diretor artístico Alain Weber, que me ensinou muito sobre o mundo tradicional. Depois, toda a parte da ajuda humanitária está dentro de nós ou não está.
– Mas acredito que tenha sido difícil deixar para trás muitos aspetos da vida que tinha cá...
– Sim, dentro das missões ficamos a saber o que é não ter água todos os dias e o ter de caminhar quilómetros sem fim com uma comunidade de mulheres que não nos conhece e com quem temos de comunicar. Nestas condições, conseguimos perceber a sorte que temos. E essa perceção mudou a minha vida. Quando estou lá, sinto muito a falta da minha família, dos meus amigos, de ver uma boa exposição, de ver um filme no cinema... Mas é muito interessante poder testemunhar no terreno o desenvolvimento que um país como Moçambique está a ter.
– A sua família sempre a apoiou nestes projetos?
– Sim, sempre me deram todo o apoio. Ninguém sabia onde este caminho me ia levar e é engraçado ver o que a vida nos oferece. Quando confiamos, o destino traz-nos surpresas.
– Para si o que significa pertencer à família Cadaval?
– Significa que tenho como missão ajudar os outros. Os meus pais sempre foram pessoas simples, até posso dizer humildes, e temos de preservar a nossa herança estando ao serviço.
– Imagina-se a voltar para Portugal?
– Sim, imagino-me. Nos próximos anos penso que vou continuar com um pé cá, outro em Moçambique, participando ainda no festival na Índia. Mas um dia quero voltar para cá para ter a minha própria família.
– Já é um desejo muito presente, ter a sua própria família?
– Como qualquer mulher de 30 anos, começo a pensar nisso, mas não vivo obcecada. Continuo a fazer a minha vida normal, mas qualquer mulher tem esse sonho.
– E no meio destas missões, quem é a Alexandra?
– Sou uma pessoa simples, lutadora, e sigo sempre as minhas convicções. Há pessoas que me acham dura, mas depois de me conhecerem percebem que sou capaz de dar tudo.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras