Nas Bancas

Stéphanie do Mónaco fala do seu lado humanitário e do seu papel como mãe

A filha mais nova de Rainier esteve na África do Sul como embaixadora da Onusida e presidente da Fight Aids Monaco para levar uma mensagem de esperança às milhares de pessoas que estão infectadas com o vírus VIH.

Andreia Guerreiro
3 de janeiro de 2010, 17:23

Stéphanie não visitou os subúrbios de Joanesburgo com uma agenda protocolar. A princesa deslocou-se a este distante canto do mundo para ver com os seus próprios olhos a realidade que ali se vive. Para escutar e compreender. Durante pouco mais de dois dias, a filha mais nova de Grace Kelly e Rainier foi ao encontro dos habitantes e das ONG dos bairros mais desfavorecidos de Soweto e Alexandra, os distritos onde vivem os mais pobres de entre os pobres, e onde a esperança de vida é das mais baixas do mundo desde o aparecimento do VIH. Na África do Sul, mais de cinco milhões de pessoas - na sua maioria mulheres - são hoje portadoras do vírus da sida. No estado de Kwazulu Natal e arrabaldes, a pandemia estende-se mesmo a 40% da população. Como embaixadora itinerante da Onusida (programa conjunto das Nações Unidas na luta contra o VIH) e presidente da Fight Aids Monaco, a princesa Stéphanie levou até estas pessoas a mensagem de esperança de que fala nestas páginas. Uma entrevista em que fala também da sua família e dos seus filhos, que são a sua força.

- O que é que a leva a empenhar-se desta forma na luta contra a sida?
Stéphanie -
Pôr a minha notoriedade ao serviço desta causa é essencial para as gerações futuras e também para o meu papel como mulher, mãe e cidadã do mundo. Num país como a África do Sul, é preciso entender que a população na faixa etária entre os 20 e os 45 anos está em vias de desaparecer. A doença deixa milhares de crianças órfãs que são rejeitadas e idosos que ficam sozinhos com dez ou quinze crianças a seu cargo. Tomar uma posição pública sobre isto ajudará certamente a que o mundo abra os olhos e nada me demoverá dessa missão.

Stéphanie do Mónaco em visita humanitária à África do Sul
Stéphanie do Mónaco em visita humanitária à África do Sul
Frederic Nebinger/ABACAPRESS.COM
- Romper tabus, despertar consciências, dá sentido à sua existência?
-
Todos temos um papel a desempenhar neste mundo, cada um à sua maneira. No meu caso, o meu dever é estar disponível para os outros. Faço-o por amor, por convicção e porque o compromisso sempre foi um motor para os meus. Na minha família, sempre estivemos onde precisavam de nós.


- Com o passar dos anos, mostra-se cada vez mais envolvida, mais determinada...
-
É um caminho vital que me trouxe até onde estou hoje. Esperei que os meus filhos fossem um pouco mais crescidos, porque o meu primeiro trabalho, para mim o mais grandioso de todos, é o de mãe. E depois ninguém se pode comprometer até estar preparado para o fazer. Há que aprender primeiro a lidar com o nosso sofrimento para depois podermos aliviar o dos outros.


- Nunca temeu perder-se na angústia das pessoas que a rodeiam?
-
Estou aqui para ajudar, não para ser... uma esponja. Consigo que falem da sua vida, esforço-me para lhes devolver o seu lugar, a importância que sentem que perderam. Num dos subúrbios que visitei, passei algum tempo numa autêntica pocilga com uma jovem doente. Quando me fui embora, a sua expressão tinha mudado. Não tornei meu o sofrimento dela. Dei-lhe algo, e ela, em troca, deu-me mais luz.


- É optimista?
-
Uma optimista incorrigível. Adoro a vida, e isso é o que me permite continuar.


- Adopta posturas que nem sempre agradam a toda a gente, vai até onde outros não vão...
-
Ainda bem que pensam que sou corajosa. Vim ao Soweto, mas em França a minha mensagem seria a mesma. Ao lado das nossas casas há pessoas que sofrem em silêncio e que preferimos não ver. Que risco há em abrir o coração? O vírus da sida não se contagia com um sorriso. Não há angústias mais chiques ou mais apresentáveis que outras. Para acabar com a discriminação e erradicar esta praga, há que fazer tudo o que está ao nosso alcance.


FOTOGALERIA: O lado solidário de Stéphanie do Mónaco

- Foi a sua mãe, a princesa Grace, quem lhe abriu os olhos para o sofrimento alheio?
-
A minha mãe mostrou-me o caminho que deveria seguir, o do amor, da serenidade, e do que ganhamos com isso. Desde criança que vi como ela agia. A minha mãe é um exemplo para mim, uma inspiração, um modelo. E também para os meus irmãos, que estão sempre envolvidos em acções humanitárias. Para nós, é uma consequência lógica da educação que os nossos pais nos deram. E espero que os meus filhos prossigam esta luta depois de mim.

Stéphanie do Mónaco na África do Sul
Stéphanie do Mónaco na África do Sul
Frederic Nebinger/ABACAPRESS.COM
- Pensa levar os seus filhos consigo em alguma missão no estrangeiro?
-
Se eles quiserem e se sentirem preparados, por que não? Mas terá de partir deles, serão eles a decidir.


- Em sua casa fala-se abertamente sobre a sida?
-
Tenho com os meus filhos uma relação muito próxima, falamos sobre tudo abertamente. No principado, em grande parte graças à Fight Aids Monaco, são levadas a cabo muitas campanhas de prevenção. Em breve serão os jovens a educarem os pais para este problema.


- Na luta contra a sida, como em muitos outros aspectos, a batalha contra a intolerância passa obrigatoriamente pelas mulheres?
-
Estou convencida que sim. As mulheres são mais corajosas e mais decididas quando têm de enfrentar situações difíceis. Todas as ONG com que trabalho na África do Sul têm a liderá-las mulheres incríveis. E, acredite em mim, em alguns bairros não é fácil manter a moral e a confiança no futuro!


- Qual é a sua opinião sobre Nelson Mandela?
-
É um homem que, apesar de tudo o que passou, nunca perdeu a esperança. Um homem que jamais deixou de acreditar na causa pela qual lutava, com amor, dignidade, doçura. Não há ódio no seu interior e, todavia, Deus sabe que poderia tê-lo!


Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras