Nas Bancas

Nova crise de queda de cabelo mostra que Carolina do Mónaco está a sofrer

Separação de Ernst provoca alopécia à princesa, tal como aconteceu após a morte de Stefano Casiraghi.

Melissa Tavanez
8 de outubro de 2009, 13:06

Apesar do Palácio Grimaldi ter emitido, a 17 de Setembro, um comunicado que pretendia desmentir as notícias que vieram a lume nas últimas semanas, dando como certa a separação de Carolina do Mónaco e Ernst de Hannover - e no qual se afirmava: "Essas informações são completamente inexactas e desprovidas de qualquer fundamento" -, a verdade é que a princesa continua a viver no Mónaco apenas com a filha mais nova, Alexandra, de dez anos, e não voltou a ser vista com Ernst.

E se dúvidas houvesse sobre a fase difícil que Carolina está a atravessar, imagens recentes mostram a princesa com enormes peladas na cabeça, sinal de que voltou a ter uma crise de alopécia, tal como lhe aconteceu em 1996, depois da morte do seu segundo marido, Stefano Casiraghi.

A alopécia é uma perda rápida, parcial ou total, de pêlos ou cabelos numa determinada área da pele, e tem na origem várias causas, entre as quais distúrbios emocionais ou stresse pós-traumático, sendo, neste caso, uma alopécia de tipo areata, que normalmente se ultrapassa espontaneamente ao fim de alguns meses.

Stresse pós-traumático e distúrbios emocionais descrevem com exactidão o profundo e longo luto em que Carolina mergulhou depois da morte trágica de Stefano, em Outubro de 1990, sem dúvida o único homem que a fez verdadeiramente feliz, e ao lado do qual a princesa aparecia sempre descontraída e com um sorriso luminoso, numa relação que durou sete anos e da qual nasceram três filhos, Andrea, de 25 anos, Charlotte, de 23, e Pierre, de 22.

A princesa Carolina
A princesa Carolina
D.R.

Viúva aos 33 anos, e com três filhos muito pequenos, Carolina, que era internacionalmente famosa pela sua beleza e elegância, emagreceu brutalmente e o seu rosto vincou-se com rugas de desgosto. E, alguns anos depois, também o cabelo da princesa se ressentiu com o sofrimento atroz que a consumia. Com as peladas a aumentarem, Carolina viu-se forçada a rapar o cabelo e a andar de lenço. Na altura, muito se especulou, aliás, sobre o assunto, pois a primeira reacção dos media foi atribuir o uso do lenço a tratamentos de quimioterapia. A questão acabou, no entanto, por ser esclarecida, quando se soube que era alopécia de origem emocional.

A princesa monegasca andava ainda com a cabeça tapada quando começou a ser vista cada vez mais frequentemente com Ernst de Hannover, seu amigo de longa data, então ainda casado com Chantal Hochuli, também ela amiga de Carolina. Ernst, que foi o ombro em que a princesa mais se apoiou após a morte de Stefano, acabaria por se divorciar e, a 23 de Janeiro de 1999, já Carolina estava grávida de Alexandra, casaram-se pelo civil, no Palácio Grimaldi.

Esta união, contudo, seria assombrada pelo temperamento agressivo do príncipe alemão, que tem problemas com o álcool, e há muito que se sabia que o ambiente doméstico de Carolina era tenso e conflituoso, e que isso a levou a deixar a residência da família em Fontainebleau e a regressar à sua casa de Monte Carlo no início deste ano lectivo, matriculando Alexandra numa escola monegasca.

Carolina do Mónaco
Carolina do Mónaco
D.R.

Algumas revistas francesas atribuíram, contudo, a razão desta ruptura a um caso de Ernst com Maryam Sachs, amiga próxima do casal, que a escolheu para madrinha de Alexandra. A senhora Sachs e o marido, Rolf Sachs (filho do multimilionário alemão Gunther Sachs, playboy famoso nos anos 60, sobretudo por ter sido marido de Brigitte Bardot), já vieram a público dizer que tudo isto é um absurdo e que o facto de Maryam ter sido vista a almoçar com Ernst algumas vezes significa apenas que está a dar-lhe apoio num momento difícil.

Resta saber se Carolina acredita neles. Porque se não acreditar, é compreensível que tenha mergulhado de novo na depressão. É que anteriormente a princesa já conhecera o sabor amargo da traição, com o seu primeiro marido, Philippe Junot, um playboy francês mais velho do que ela 17 anos, com quem se casou aos 22. A união, que durou apenas dois anos, terminou quando se soube publicamente que Junot tinha um caso extraconjugal.

Na altura, a princesa não se mostrou especialmente afectada com essa separação. Afinal, tinha muitas coisas a seu favor: era muito jovem, não tinha tido filhos, contava com o apoio dos pais, os príncipes Grace e Rainier, que ainda eram vivos, e não sabia o que era perder irremediavelmente um grande amor. Agora, aos 52 anos, ela que criou três filhos sem o pai, tem o peso de querer proteger Alexandra dos traumas que a separação dos pais implica sempre para uma criança pequena. E não tem os pais para lhe darem a mão neste troço do caminho que se anuncia solitário.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras