Nas Bancas

A família real britânica reuniu-se para celebrar os 90 anos da rainha

A família real britânica reuniu-se para celebrar os 90 anos da rainha

Getty Images

Sete palavras que os membros da família real britânica não podem usar

A antropóloga social Kate Fox publicou um livro onde se podem conhecer alguns dos termos que nunca são usados por elementos da realeza britânica.

CARAS
7 de julho de 2019, 11:02

Com protocolos e regras rígidas, é difícil saber exatamente o que se pode ou não dizer quando se está na presença de um elemento da família real britânica. A antropóloga social Kate Fox, autora do livro Watching the English: The Hidden Rules of English Behaviour, estudou algumas das palavras proibidas entre a realeza.

Uma dessas palavras é “pardon” (perdão, em português). Aprende-se desde a infância que essa é a forma mais correta de pedir a alguém que repita alguma coisa, quando não se entendeu o que foi dito. No entanto, na família real britânica essa regra não se aplica. Em vez disso, dizem simplesmente “sorry” (“desculpe”) ou perguntam “what?” (“o quê?”).

Outro exemplo do que não deve ser dito perante um membro da realeza britânica é a palavra “posh” (“chique”, "elegante"). De acordo com antropóloga, a realeza utiliza a palavra “smart” para se referir a algo elegante e sofisticado, utilizando “posh” apenas em situações em que o tom irónico é utilizado.

As mulheres da casa real, incluindo a rainha, Kate e Camilla, nunca usam perfume. Em substituição, utilizam a palavra “fragância” ou “aroma”.

Também de acordo com Kate Fox, nenhum membro da família real se refere à refeição tomada à noite como “tea”. Referem-se sempre ao jantar como “dinner” ou “supper”.

A palavra “lounge” também está proibida. No palácio de Buckingham há um sem número de salas, mas nenhum “lounge”, isto porque os Windsors, quando querem descansar, podem passar algum tempo na “sitting room” (“sala de estar”).

Toilet”, como referência à casa de banho, nunca é usada. Em vez disso, a realeza britânica utiliza as palavras “lavatory” ou “loo”, que designam a mesma divisão da casa. De acordo com a antropóloga, a raíz da proibição desta palavra é histórica, sendo evitada devido às suas origens francesas.

Por fim, os membros da realeza britânica não são obrigados a utilizar os termos “mum” e “dad”, (“pai” e “mãe”) à medida que vão crescendo. Na verdade, e de acordo com a publicação, sabe-se que o príncipe Carlos continua a tratar a rainha, sua mãe,por “mummy” (“mamã”). No ano passado foi também revelado que George, o filho mais velho dos duques de Cambridge, chama “pops” (“papá”) ao pai.

Recorde um momento em que Isabel II quebrou o protocolo.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras