Nas Bancas

Rainha Isabel II

Rainha Isabel II

Bryn Lennon

Um resumo da homossexualidade na vida de Isabel II

A modernização da realeza tem ficado, cada vez mais, evidente.

CARAS
30 de junho de 2019, 17:14

Um núcleo "fechado", cheio de normas e tradições - assim é vista, por milhões, a realeza. Mas, afinal, como se lida com a homossexualidade, neste ambiente conservador? Ora, melhor que ninguém, Isabel II tem aprendido a aceitar as mudanças e, desde cedo, conviveu homens gays ou bissexuais na família.

George de Kent, tio paterno da monarca, é exemplo disso. Casou em 1934 com Marina da Grécia e Dinamarca, mas já mantinha, há cerca de 11 anos, um romance com Noël Coward, famoso dramaturgo. A relação terá durado mais oito anos, de acordo com o artista. A George, foram posteriormente associados outros nomes, como Anthony Blunt, Jorge Ferrara ou mesmo seu primo afastado, Luis Fernando de Prusia. O tio de Isabel II chegou também a ter amantes mulheres e acabou por morrer quando esta tinha 16 anos, num acidente de avião.

A própria mãe da rainha, Isabel Bowes-Lyon, habituou, desde cedo, a filha à presença de gays, cuja companhia lhe agradava particularmente. Desde Cecil Beaton a Benjamin Britten ou mesmo ao próprio Noël Coward, vários frequentavam a sua casa. E quando foi aconselhada a não dar emprego a homossexuais, Isabel chegou, alegadamente, a sugerir que, assim sendo, passassem a servir-se a si mesmos.

Isabel II veio a ter também vários amigos gays. Patrick Plunket, o seu secretário privado, foi exemplo disso, ou mesmo Michael Trestrail. Este último foi o seu guarda-costas por nove anos, até que, em 1982, se viu obrigado a desistir do cargo, após ser chantageado por um amante.

Em novembro de 2018, deu-se, contudo, um grande passo à frente na realeza: o primeiro casamento gay. Aconteceu entre Ivar Mountbatten, primo em terceiro grau da monarca britânica, e James Coyle. Foi testemunhado por várias caras conhecidas e serviu de "prova" para a grande transformação que se tem realizado, nos últimos tempos, na realeza.

William, Harry e Meghan, já de uma geração mais recente, têm também mostrado o seu apoio à comunidade LGBT. "Ninguém deveria ser criticado pela sua sexualidade", chegou a dizer o marido de Kate, em 2016. E assim se escrevem as primeiras linhas de uma longa história, que se prevê conturbada, mas cujo resultado não poderá ser outro que não o da igualdade e harmonia.

Veja também: Rainha Isabel II oferece jantar de gala a Donald e Melania Trump

Veja também: Será que Meghan vai criar o primeiro filho com fluidez de género?

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras