Nas Bancas

GettyImages-950359102.jpg

Getty Images

Como se justifica que Kate tenha deixado a maternidade sete horas depois do parto?

A duquesa de Cambridge deu à luz o seu terceiro filho e surpreendeu pela rapidez com que teve alta do hospital.

CARAS
24 de abril de 2018, 23:02

Kate abandonou a maternidade Lindo Wing do Hospital St. Mary, em Londres, apenas 12 horas após ter dado entrada e sete horas depois do parto do terceiro filho. O facto surpreendeu os seguidores da família real britânica e a população em geral.

Maria do Céu Santo, ginecologista e obstetra, considera que este não é um procedimento normal. "Aqui, as doentes não saem sete horas depois de terem a criança, de maneira nenhuma. Mas isso são as nossas normas de orientação", clarifica a médica em declarações à CARAS, aproveitando para sublinhar que Kate não é uma paciente comum. "Em geral, não é normal. Mas são condições especiais, também quanto ao apoio ao domicílio", referindo que os cuidados com a família real não estarão ao acesso do comum cidadão - obrigado a permanecer 48 horas sob vigilância.

Maria do Céu Santo alega, no entanto, que "ainda há crianças a nascer em casa, há crianças que nascem nas ambulâncias a caminho do hospital. Há, inclusive, partos no domicílio cujas mães nem vêm ao hospital", afastando desta forma a necessidade de Kate passar mais tempo nas instalações hospitalares. "O que pode acontecer é que, se houver alguma complicação, volta ao hospital. E no caso da criança, igual", sublinhando ser essencial a mãe e o recém-nascido serem mantidos em vigilância.

Kate tem vindo a passar menos tempo no hospital a cada nascimento: uma noite inteira quando do pequeno George, de quatro anos; dez horas após o parto de Charlotte, de três anos e, desta vez, apenas sete horas depois do nascimento do filho mais novo. Maria do Céu Santo vê o acontecimento com muita naturalidade, adiantando que "os trabalhos de parto podem ser mais fáceis e mais rápidos quando não é o primeiro filho. Depois, tem a ver com o peso do bebé, o tipo de parto (vaginal, cesariana,..) mas, geralmente, o terceiro parto é mais fácil que o primeiro".

Há uma questão, contudo, que é fundamental neste caso, segundo a obstetra Maria do Céu. "Não se pode comparar a família real com a população em geral. Temos de ter normas que se adeqúem a todos, e uns têm mais apoio outros menos", justificando, assim, o recorde estabelecido por Kate naquele que é o país onde as mães passam menos tempo internadas - com as normas orientadoras a apontarem para as 6 horas como período mínimo após um parto normal.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras