Nas Bancas

Meghan Markle vai trocar tiara de fantasia por uma de verdadeira princesa

Isabel II pode encomendar uma tiara nova para Meghan, tal como fez com as suas noras Sarah Ferguson e Sophie Rhys-Jones.

Ana Paula Homem
25 de fevereiro de 2018, 10:49

Quando, no verão de 1996, tinha então apenas 15 anos, a americana Meghan Markle foi eleita rainha do seu baile de finalistas, sendo-lhe imposta uma tiara de fantasia que simbolizava esse título de beleza e popularidade, estava bem longe de imaginar que mais de 20 anos depois iria tornar-se noiva de um príncipe europeu, Harry de Inglaterra, e, graças a isso, poderia adquirir o direito de usar as tiaras de verdadeiras rainhas e princesas que estão guardadas nos cofres de Sua Majestade britânica.

A partir do momento em que se tornar membro da família real, Meghan participará em vários dos eventos em que, ao longo dos anos, tanto Isabel II como as suas familia-
res mais diretas devem usar este acessório na cabeça. É o caso dos banquetes de Estado e, claro está, dos casamentos. Por isso mesmo, por esta altura começa a crescer a curiosidade em relação à tiara que Meghan levará na cabeça quando, a 19 de maio próximo, se dirigir ao altar para trocar alianças com Harry.

No caso de Kate, porque se tratou do casamento de uma futura rainha, a soberana permitiu que a noiva de William escolhesse a tiara que mais lhe agradasse. E a jovem Middleton teve o bom senso de optar por uma das mais discretas da coleção, ou seja, a mais apropriada à sua idade: a Cartier Halo, datada de 1936, e que exibe com 39 brilhantes e 149 diamantes baguette.

Já no caso de Meghan, e porque Harry, mesmo sendo neto da rainha, não tem os privilégios do irmão, pode acontecer que Isabel II prefira encomendar uma tiara nova e menos valiosa para a futura princesa, como fez, aliás, quando os seus filhos mais novos se casaram, André, com Sarah Ferguson, e Eduardo, com Sophie Rhys-Jones.

Ainda assim, e porque tudo é possível, aproveitemos para dar uma olhadela ao interior dos ditos cofres reais e descobrir as maravilhas que neles se escondem e de entre as quais Meghan pode, eventualmente, ser convidada a eleger o mais importante acessório que usará no dia 19 de maio. Nesses cofres estão mais de 20 tiaras – e centenas de outras joias magníficas, diga-se de passagem –, de tamanhos, cores e feitos diferentes, todas elas com pedras preciosas de grande valor, saídas ao longo dos tempos das mãos dos artífices de prestigiadas casas joalheiras, como a Cartier, a Boucheron ou a Garrard, e com nomes exóticos, como Dehli Durbar, Lotus Flower ou Cambridge Lover’s Knot.

Diga-se, já agora, que Isabel II não usa uma boa parte das tiaras da sua coleção e que, em contrapartida, repete algumas regularmente. Afinal, uma rainha tem direito às suas preferências e a só usar aquilo de que mais gosta, sem se prender com sentimentalismos. A prova é que duas das primeiras tiaras que teve, e que nunca lhe foram vistas, eram da sua mãe, que lhas ofereceu de presente quando fez 18 anos. Talvez por as achar demasiado simples e discretas – porque, ao gosto dos anos 30, eram mais bandeaux do que tiaras –, acabou por as emprestar à sua irmã, a princesa Margarida, só as recuperando após a morte desta, em 2002. Uma delas é a já referida Cartier Halo Tiara, encomendada à conceituada casa parisiense pelo futuro rei Jorge VI (pai da atual soberana), para a oferecer à mulher, Isabel, a futura rainha mãe. A outra, a Tiara Flor de Lótus, também presente do pai de Isabel II à mulher, foi feita pelos joalheiros Garrard e esteve longos anos guardada, até Kate se apaixonar por ela, já a tendo usado em duas ou três ocasiões.

Kate também já exibiu em algumas ocasiões a tiara preferida da princesa Diana, a Cambridge Lover’s Knot, com diamantes e pérolas em forma de lágrima, criada em 1914 pela Garrard para a rainha Mary de Teck, que tinha uma verdadeira paixão por joias, mandando regularmente modificar-lhes os feitios e acrescentar-lhes pedras. A Lover’s Knot acabou por ser oferecida pela atual monarca de presente de casamento a Diana e, desde a morte desta, só voltou a ser usada por Kate.

Se, como se espera pelo seu estilo de vestir no dia a dia, a simplicidade for a palavra de ordem de Meghan para o grande dia, dificilmente encontrará mais alguma peça tão discreta como as que Kate já adotou. Porque a maior parte das peças da coleção real são realmente bastante ostensivas. Refira-se que as maiores e mais exuberantes são as que a rainha emprestou a Camilla: a Dehli Durbar e a Greville, igualmente de dimensões generosas. Quanto à Tiara Spencer, que Diana usou no dia do seu casamento com Carlos, parece uma opção pouco provável, pois nem Kate a usou, uma vez que na verdade não pertence à família real, e sim à família da falecida princesa, estando hoje na posse do irmão daquela, o conde Spencer.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras