Nas Bancas

20 imagens que relatam os altos e baixos da vida de Diana

Recordamos a ‘princesa do povo’, que morreu a 31 de agosto num acidente de viação em Paris.

CARAS
31 de agosto de 2017, 10:08

1 – Uma cor premonitória
Diana
tinha apenas 19 anos quando, a 15 de março de 1985, usou este pesado modelo de noite da dupla David e Elizabeth Emanuel (que criaram, também, o seu vestido de noiva), naquele que foi o seu primeiro evento oficial depois do anúncio do noivado com Carlos. Apesar de estar longe de imaginar que não viveria feliz para sempre com o seu príncipe, a escolha do preto – cor que a família real reserva para os momentos de luto – quase pareceu um mau presságio.
2 – Lua de mel, lua de fel
Depois de uma viagem de 16 dias pelo Mediterrâneo, a bordo do iate real Britannia, os recém-casados terminaram a lua de mel em Balmoral, na Escócia, onde foram fotografados num passeio romântico. Soube-se mais tarde que Diana já tinha a noção de estar “numa relação a três”. Numa carta escrita durante a lua de mel, revelou que estava a ser “uma oportunidade perfeita para pôr o sono em dia”.
3 – Tragédia grega
Sob o seu véu de tule, a noiva parecia radiosa, mas tinha passado as horas que antederam o casamento – celebrado a 29 de julho de 1981 – a vomitar. Dias antes, Carlos fora ter com Camilla à Austrália para a “despedida de solteiro”. Em 1992, pouco antes da separação, o príncipe escreveu numa carta que o seu casamento era “uma espécie de tragédia grega”.
4 – Nora e sogra de costas voltadas
Isabel II
terá começado por gostar de Lady Diana Spencer, ou não a teria aprovado para futura mulher do herdeiro do trono. A fragilidade emocional que a sua jovem nora revelou, porém, depressa agastou a soberana, adepta convicta do autocontrolo e do estoicismo.
5 – O peso da coroa
Diana era princesa de Gales há menos de dois anos quando, num banquete na Nova Zelândia, em abril de 1983, foi fotografada em evidente desconforto com a tiara de pérolas e diamantes que escolhera para essa noite. Uma imagem bem simbólica do peso que o seu destino real implicava.
6 – A felicidade de ser mãe
Os filhos foram, sem dúvida, o único aspeto positivo do casamento de Carlos e Diana. Para o príncipe, porque assegurara finalmente um herdeiro para o trono, para a princesa, porque adorava crianças. William, nascido a 21 de junho de 82, e Harry, que nasceu a 15 de setembro de 84, tornaram-se a sua razão de viver.
7 – Uma ‘outsider’ na família
Apesar de ter nascido numa família nobre e estar perfeitamente habituada à rigidez das classes altas inglesas, Diana nunca se integrou verdadeiramente entre os Windsor, parecendo sempre estar a mais na maioria das imagens reais.
8 – Tempo de esperança
Diana engravidou dois meses depois de casada. E a perspetiva da chegada de uma nova vida levou-a a acreditar que a sua relação com Carlos ainda tinha uma hipótese. Por isso, as fotos da gravidez mostram-na mais radiosa do que nunca.
9 – O aumento emocional da popularidade
Diana encontrou aquilo que não recebia do marido – amor, carinho, compreensão – junto da multidão anónima, que a idolatrava e lhe devolvia uma imagem de si própria quase divina. Essa idolatria acabou por ser um dos principais alimentos emocionais da princesa.
10 – Como uma estrela de cinema
Em maio de 1987, Carlos e Camilla foram os convidados de honra do Festival de Cannes. Num esvoaçante vestido de chiffon azul pálido de Catherine Walker que poderia ter sido usado por Grace Kelly num filme, a princesa roubou as atenções de todas as estrelas de cinema que desfilaram pela passadeira vermelha.
11 – Mãe atenta e todo-o-terreno
Desde que impôs como condição levar William ainda bebé numa longa viagem à Austrália e Nova Zelândia, Diana deixou claro o estilo de mãe que era: totalmente disponível para os filhos, com os quais se divertia muitíssimo.
12 – Podia ter dançado toda a noite
Diana estudou dança clássica e sonhava ser bailarina. E apesar de Carlos não ser o mais exímio dos pares – na pista de dança e fora dela –, a princesa teria adorado que naquela noite de 85, na Austrália, a orquestra tivesse tocado I Could Have Danced All Night.
13 – A mais fotografada do mundo
Nem a famosa timidez que nos primeiros tempos a fazia baixar a cabeça em público e mal olhar as pessoas de frente impediu Diana de se tornar, desde o dia do seu noivado, a 24 de fevereiro de 1981, até à data da sua morte, a 31 de agosto de 1997, a mulher mais fotografada a nível mundial. Para irritação tanto de Carlos como de Isabel II, que nunca tiveram com as câmaras a mesma capacidade de sedução quase inata.
14 – O simples vestido preto da vingança
Diana ainda estava casada quando comprou o famoso “little black dress” sem ombros e saia de corte assimétrico de Christina Stamboli, mas teve medo que fosse demasiado ousado e guardou-o. Para a mulher segura em que se transformou depois da separação, no entanto, era, apenas, o vestido perfeito. Quando o usou, em 1994, na noite em que Carlos confessou na televisão que lhe tinha sido infiel, a imprensa chamou-lhe “o vestido da vingança”.
15 – Uma princesa de causas
Uma infância e adolescência marcadas pelas discussões dos pais e a sua posterior separação, que a afastou da mãe, e um casamento terrivelmente infeliz fizeram Diana Spencer conhecer na pele o sofrimento, que se manifestou em vá­rios transtornos psicológicos. Muitos ter-se-iam autocentrado com essas vivências, mas a princesa de Gales reagiu precisamente ao contrário: mostrou-se atenta aos outros e capaz de uma empatia que a levou a abraçar sempre as causas dos mais fracos.
16 – Divórcio não a afastou da ribalta
Separada de Carlos desde finais de 1992 e divorciada em 1994, Diana não perdeu o título nem deixou de ter uma ocupadíssima agenda oficial. Um ano antes de morrer, destacou-se, ao lado dos filhos, nas comemorações dos 50 anos do fim da II Guerra Mundial.
17 – Uma agenda preenchida
A Casa Real tinha tanta noção da popularidade de Diana que fez questão, no pós-divórcio, que a ex-mulher de Carlos mantivesse uma agenda oficial. E a princesa não se fez rogada, comparecendo a inúmeros eventos um pouco por todo o mundo, sobretudo de cariz solidário. Nesta foto, à chegada a uma gala em Chicago.
18 – A última reunião real
Pelos filhos, a princesa de Gales fazia todos os sacrifícios. Inclusivamente, o de conviver com a família real. Uma das últimas ocasiões em que isso aconteceu foi no dia da confirmação de William na Igreja Anglicana, em março de 97. Cinco meses antes de morrer, portanto. E a sua postura corporal nas fotos evidenciava bem que isso já não a afetava de todo. Tinha dado a volta por cima.
19 – Pela paz sem medo da morte
Diana começou 1997, o ano da sua morte, com uma visita a um campo de minas em Angola. Confessou, mais tarde, que temeu não sair dali com vida. Mas isso não a impediu de pisar o terreno minado. Não o fez por irresponsabilidade, mas sim por coragem. Porque sabia que o seu exemplo era a melhor forma de chamar a atenção internacional para este drama.
20 – Amor eterno
O tempo poderia ter afastado Diana de Dodi Al-Fayed, mas aquela noite de 31 de agosto de 1997, em Paris, manteve-os unidos para sempre. Esse fim trágico acabou por dar a este último amor um toque mítico, romanesco. Porque os grandes amores ao estilo de Romeu e Julieta nunca acabam bem. Por isso é que são eternos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras