Nas Bancas

Harry de Inglaterra

Harry de Inglaterra

Getty Images

Príncipe Harry: “Só chorei duas vezes pela morte da minha mãe”

Revelação foi feita no documentário ‘Diana, Our Mother: Her Life and Legacy’.

CARAS
25 de julho de 2017, 16:08

No ano em que se assinala o 20.º aniversário do desaparecimento da princesa Diana, vítima de um acidente trágico em Paris, França, os seus filhos aceitaram participar num documentário de homenagem. Embora ambos os testemunhos tenham sido emocionantes, o do príncipe Harry, filho mais novo de Carlos de Inglaterra e Diana de Gales talvez tenha sido o mais surpreendente. O jovem tinha apenas 12 anos quando a mãe morreu e confessou que ficou um pouco apático com tudo o que estava a acontecer à sua volta.
A princesa foi enterrada numa cerimónia privada numa propriedade da sua família, numa ilha, depois do adeus público na Abadia de Westminster, em Londres, transmitido pelas televisões de todo o mundo. E terá sido precisamente nesse momento mais privado que o príncipe Harry se deixou levar pela emoção. “A primeira vez que eu chorei foi no funeral na ilha. E depois disso, só chorei talvez mais uma vez pela morte da minha mãe. Há ainda muita dor… que tenho de deixar vir cá para fora. Eu era muito novo, cresci a pensar que não ter mãe era normal. Era o caso típico que achava que não valia a pena pensar naquilo nem passar pelo difícil processo do luto, porque nada a traria de volta. A questão é que esta postura só aumenta a tristeza. As pessoas lidam com a morte de formas diferentes e eu basicamente guardei tudo para mim, fiquei em silêncio”, confessa no documentário transmitido esta segunda-feira, 24 de julho, pelo canal ITV.
Já o filho mais velho de Diana, o príncipe William, sempre teve mais facilidade em expressar os seus sentimentos. No entanto, reconhece que foram momentos de extrema tristeza: “Não há que se assemelhe a perder uma mãe, nada. É como se um terramoto devastasse a nossa casa, a nossa vida, tudo. Ficamos destruídos. E eu demorei algum tempo a conseguir vir ao de cima. O meu coração está com todos os que perderam pessoas que amavam. Uma dor destas é algo que nos liga, como se fizéssemos parte de clube triste, ao qual ninguém quer pertencer. Mas quando nos encontramos sabemos exatamente o que os outros estão a sentir”.
No dia do acidente, 31 de agosto de 1997, Harry tinha 12 anos e William 15 e encontravam-se de férias em Balmoral, uma propriedade da rainha Isabel II na Escócia, com a família real, enquanto a mãe estava em Paris, com o namorado, o empresário egípcio Dodi Al-Fayed. Horas antes da tragédia, a princesa ligou para os filhos que, confessam agora, se culpam por ter apressado o fim do telefonema para poderem continuar a brincar com os primos. "O Harry e eu estávamos desesperados para dizer adeus, até logo, vamos andando. Se soubesse o que iria acontecer de certeza que não teria sido tão indiferente. Mas aquela conversa telefónica pesa-me na memória", lembrou William.
Embora tenham acedido a este convite de abrir o seu coração para homenagear a mãe, pela primeira vez de forma tão privada, William e Harry garantem que não voltará a repetir-se. "Não o faremos outra vez. Não falaremos tão aberta e publicamente sobre ela outra vez, porque temos esperança de que este filme dê o lado dos amigos próximos e da família que ainda não tinham conhecido, daqueles que a conheciam melhor e daqueles que querem proteger a memória dela e recordá-la como a pessoa que era. Vinte anos depois, Harry e eu sentimos que era o momento apropriado para nos abrirmos um pouco mais sobre a nossa mãe", explica o marido de Kate Middleton.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras