Nas Bancas

Camilla fala dos momentos difíceis após romance com Carlos de Inglaterra ser tornado público

“Foi horrível”, confessa a duquesa da Cornualha.

CARAS
29 de maio de 2017, 13:07

Passaram-se 12 anos desde que Camilla e o príncipe Carlos de Inglaterra se casaram e, embora hoje seja aceite pelos britânicos, a duquesa não esquece os momentos difíceis que viveu quando o romance foi tornado público. Primeiro porque há muitos que era apontada como a responsável pelo divórcio do príncipe e de Diana de Gales e, inclusivamente, acusada de trair o então marido, Andrew Parker Bowles. Depois porque o facto de Diana ser muito querida pelo povo fez com que muitos tivessem dificuldades em aceitar que Carlos a ‘trocasse’ por outra mulher.
Numa entrevista franca à revista You, Camilla assume que, na época, se sentia prisioneira na sua própria casa e que pouco saía para não ter de lidar com o assédio mediático. “Na realidade, eu não podia ir a lado nenhum. Mas as crianças [os filhos, o crítico gastronómico Tom Parker-Bowles e a curadora de arte Laura Lopes] vinham regularmente, como sempre. Eles tentavam encarar a situação com normalidade e os meus melhores amigos também”, começa por dizer a duquesa, de 69 anos. “Foi horrível. Foram tempos extremamente desagradáveis e eu não colocaria o meu pior inimigo numa situação semelhante. Eu não teria sobrevivido sem o apoio da minha família, nomeadamente os meus irmãos, Annabel e Mark, adianta.
Carlos e Camilla conheceram-se em 1971 e apaixonaram-se. Dois anos depois terminou o namoro, o filho de Isabel II, então oficial da marinha, partiu em missão para o estrangeiro, e não demorou muito até que a sua amada se casasse com Andrew Parker Bowles. De acordo com a imprensa britânica, os dois nunca se separaram na realidade e mantinham uma relação adúltera, que o marido de Camilla preferia ignorar. O casamento da duquesa da Cornualha com Parker Bowles, terminou em 1995, três anos após a separação de Carlos e Diana, cujo divórcio só foi oficializado em 1996.
Apesar de todos os escândalos à volta desta relação Carlos de Inglaterra não tinha dúvidas de que queria, finalmente, assumir publicamente o seu amor por Camilla e os dois casaram-se a 8 de abril de 2005. Com a união, a sua mulher recebeu o título de duquesa da Cornualha e passou a ter de assumir as obrigações reais, algo que, confessa, nem sempre lhe agrada. “Às vezes temos de saber rir-nos de nós próprios. Porque se não formos capazes de fazê-lo, não conseguiremos sobreviver nesta realidade. Penso para mim própria frequentemente: ‘Quem é esta mulher? Não sou eu. Tive de construir uma personagem para me adaptar a esta nova vida’”, admite. “É também importante ter amigos que nos chamam à terra quando estamos a sentir-nos demasiado importantes, que nos dizem que temos de ter calma e nos lembram quem somos. Felizmente eu fui bem-educada pelos meus pais e sempre tive maneiras. Pode parecer algo snob dizer isto, mas na minha altura deixava-se a escola aos 16 anos, só os grandes cérebros iam para a universidade. Em contrapartida, íamos para Paris e Florença e aprendíamos a comportar-nos em sociedade, conhecíamos outros modos de vida e outras culturas. Isso foi-me incutido e, de certa forma, eu adquiri os conhecimentos que estas experiências me proporcionaram. Caso contrário teria sido muito mais difícil adaptar-me à vida no seio da família real”, conclui.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras