Nas Bancas

2016-12-21-1.jpg

Getty Images

Revelados os detalhes do funeral de Isabel II

Jornal inglês levanta o véu sobre os acontecimentos que se seguem à morte da rainha.

CARAS
24 de março de 2017, 22:33

Isabel II de Inglaterra tem 90 anos e, por isso, é natural que já existam planos para o dia do seu funeral. Uma investigação do jornal The Guardian desvenda os pormenores de um plano que começou a ser pensado na década de 60, quando a soberana ainda não tinha festejado o seu 50.º aniversário, e que é atualizado duas a três vezes por ano.
De acordo com a publicação, reúnem-se os responsáveis de uma dúzia de departamentos do governo, da polícia, do exército e da imprensa. “O mundo espera que façamos novamente tudo perfeito. E assim faremos”, disse um dos participantes destas reuniões ao jornal, referindo-se às cerimónias fúnebres da Rainha Mãe, que morreu a 30 de março de 2002, aos 101 anos.
Estão equacionados vários cenários, mas a maioria dos envolvidos acredita que a monarca morrerá após um curto período de doença. Se isto se confirmar, o gastrenterologista Huw Thomas será o responsável por todas as informações transmitidas ao Palácio de Buckingham, que depois as tornará públicas.
Depois do médico, o filho Carlos será o primeiro a ser informado da morte da monarca. A notícia será então dada aos netos e ao seu secretário pessoal, Sir Christopher Geidt. E é este último que, através de uma linha telefónica segura, entrará em contacto com o primeiro-ministro para passar a informação através do seguinte código: “A ponte de Londres caiu”. Este terá a responsabilidade de informar os 15 governos fora do Reino Unido, onde a rainha Isabel II também é chefe de Estado, e as 36 nações que fazem parte da Commonwealth. Só depois de todos estes passos é que os cidadãos serão informados da morte da sua soberana, notícia que será transmitida por um funcionário do Palácio de Buckingham que terá a responsabilidade de afixar uma nota nos portões do edifício histórico.
Prevê-se que menos de 24 horas depois da morte da rainha, o seu filho mais velho, Carlos de Inglaterra, seja proclamado rei, e que o funeral só aconteça ao fim de nove dias.
Caso a mulher do duque de Edimburgo morra fora do país, o seu corpo será transportado por um avião da Força Aérea. Se for em Sandringham, o percurso até Londres será feito de carro, e se for em Balmoral, será utilizado o comboio real.
O velório decorrerá em Westminster Hall, onde se espera pelo menos meio milhão de pessoas. Mas como cada vez há mais pessoas a manifestarem o seu desagrado com a Casa Real e a monarquia em geral, os livros de condolências têm preparadas várias folhas prontas a arrancar para o caso de ser preciso eliminar mensagens menos apropriadas.
Ao nono dia após ser anunciada a morte da monarca, o Big Ben tocará às 9h00 e de seguida o badalo será coberto com cabedal, para se obter um som abafado. Às 11h00 espera-se um silêncio absoluto em todo o país, em sinal de respeito.
Na televisão e nas rádios será suspensa toda a programação habitual para serem transmitidos especiais sobre Isabel II. Jornais e revistas também já têm preparados vários artigos prontos a publicar, que são pontualmente atualizados.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras