Nas Bancas

William de Inglaterra: “Também perdi a minha mãe quando era muito novo”

Príncipe usou a sua própria experiência para reconfortar uma menina que perdeu o pai há seis anos.

CARAS
12 de janeiro de 2017, 12:53

William de Inglaterra tinha apenas 15 anos quando a mãe, Diana de Gales, morreu num acidente de carro em Paris, França. E embora já tenham passado muitos anos, o príncipe não esquece este momento difícil e traumático da sua vida. Esta quarta-feira, durante uma visita ao centro Child Bereavement, em Stratford, que apoia crianças e famílias quando um bebé ou uma criança está a em fase terminal ou quando uma criança enfrenta uma perda pessoal, William voltou a abordar publicamente a morte da mãe. Para confortar Aoife, uma menina de que perdeu o pai há seis anos, vítima de cancro, o neto de Isabel II explicou: “Sabes o que me aconteceu? Também perdi a minha mãe quando era muito novo. Eu tinha 15 anos e o meu irmão [Harry] 12. É muito importante falares. Muito, muito importante”.
Em declarações aos jornalistas, a mãe da menina – que tem ainda outro filho, Keenan, de 12 anos – contou que ficou estupefacta quando viu William a falar com a sua filha. “Não podia acreditar quando ele começou a falar sobre a mãe. Foi muito emocional e tive de me controlar para não começar a chorar. Quase chorei. (…) Disse aos meus filhos que se eles tirarem alguma coisa deste dia é o que o príncipe disse sobre como é importante falar. As crianças não esquecem isso. Às vezes dói, mas podemos lembrar coisas felizes também. É tão importante falar", afirmou. Marie contou também que decorreu pouco tempo entre o diagnóstico da doença e a morte do marido, que apanhou a família de surpresa. Na altura os filhos tinham três e seis anos. “O meu filho queria falar sobre a perda, mas para a minha filha era muito difícil e ela não queria fazê-lo. Levei algum tempo a encontrar o centro, mas temos trabalhado com este desde junho. O que eles têm feito por nós enquanto família tem sido notável. A Aoife não queria sentar-se com o psicólogo sozinha, mas participa em atividades que a levam a discutir os seus sentimentos de forma mais relaxada. Isso ajudou-me também. Amanhã é o sexto aniversário da morte do meu marido. Para ser honesta, será apenas mais um dia para nós", adiantou.
Kate, que acompanhou William nesta ocasião, enalteceu o trabalho desenvolvido pela instituição: “Com a vossa história e todas as experiências que viveram, ajudar as vossas crianças ultrapassando as vossas próprias ansiedades, é de louvar… Acho mesmo que é extraordinário o trabalho que se faz aqui. Dou-vos os parabéns. Ser mãe é difícil”.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras