Nas Bancas

Kate e William: Primeiro filho nasce em junho de 2013

Futura mãe está internada em Londres com forma grave e rara de enjoos

Ana Paula Homem
7 de dezembro de 2012, 15:42

Um ano e sete meses depois da celebração do casamento do príncipe William com Catherine Middleton, o Palácio de St. James, residência oficial em Londres dos duques de Cambridge, anunciou num comunicado –escrito em tom formal, mas que não conseguia esconder a alegria que se vive na família real –, que o casal está à espera do seu primeiro filho: “Suas Altezas Reais o duque e a duquesa de Cambridge têm o prazer de anunciar que a duquesa de Cambridge está à espera de bebé.”
A notícia foi divulgada por volta das 16h00 da passada segunda-feira e, ao que tudo indica, mais cedo do que os futuros pais pretendiam, uma vez que a gravidez ainda não deve ter passado as 12 semanas – quando inquirido sobre quando é que os duques, ambos de 30 anos, souberam que iam ser pais, o porta-voz de St. James limitou-se a responder: “Recentemente.” Esta precipitação ficou a dever-se ao facto de nessa mesma manhã a jovem duquesa ter sido internada devido a uma complicação rara: uma forma intensa de náuseas e vómitos na gravidez, conhecida pelo termo hyperemesis gravidarum, que é muito mais grave que as comuns náuseas matinais, e que afetará apenas entre 0,3 a 2 por cento das grávidas.
Não permitindo a ingestão (ou, pelo menos, a adequada absorção dos alimentos e bebidas), a hyperemesis gravidarum pode provocar desidratação, anemia, malnutrição no feto e outras complicações sérias. Por tudo isto, os médicos do Hospital King Edward VII, em Londres, decidiram internar a duquesa por alguns dias, informa ainda o comunicado, adiantando que depois de ter alta Kate deverá ainda permanecer mais algum tempo em repouso.
A duquesa de Cambridge tinha sido vista em público pela última vez na passada sexta-feira, dia 30, quando fez uma visita de carácter oficial à escola onde estudou dos 3 aos 13 anos, o Colégio de St. Andrew’s. Nem nesta ocasião, nem dois dias antes, quando esteve na cidade de Cambridge pela primeira vez, na companhia de William, a duquesa deixou transparecer qualquer sinal de mal-estar. Aliás, em St. Andrew’s, onde inaugurou um novo campo desportivo em relva sintética, Kate, que fez parte da equipa escolar de hóquei em campo, da qual chegou a ser capitã, nem hesitou em partilhar por alguns instantes o jogo que alguns alunos disputaram na sua presença.
Como se calcula – e o porta-voz de St. James não deixou de o referir –, “a rainha, o duque de Edimburgo, o príncipe de Gales, a duquesa da Cornualha, o príncipe Harry e os restantes membros das famílias dos dois estão encantados com a notícia”. Porque se a chegada de um bebé desejado é sempre vivida com felicidade, o nascimento de um bebé real, e, melhor ainda, de um futuro rei ou rainha, é duplamente celebrado. Afinal, a monarquia assenta num regime de sucessão hereditária e para Isabel II, que caminha a passos largos para os seus 87 anos, saber que a sua sucessão estará em breve assegurada por três gerações é a mais bem-vinda de todas as notícias. Um presente de Natal antecipado ou, melhor ainda, o culminar perfeito do ano do seu Jubileu de Diamante.
Naturalmente, muitos ingleses partilham a felicidade da sua soberana. É o caso do primeiro-ministro, David Cameron, que ‘postou’ na sua página do Twitter, menos de meia hora depois de a boa-nova ter sido tornada pública, que está “encantado com a notícia”. Tão encantado que acrescentou mesmo: “Eles darão uns ótimos pais!”

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras