Nas Bancas

Isabel II: Sempre Soberana

Isabel II tinha apenas 26 anos quando assumiu o pesado fardo que carrega há seis décadas: a responsabilidade, a que nunca se esquivou, de ser a grande figura de referência dos ingleses. Uma espécie de mãe de todos os seus súbditos, o que lhe exige ter sempre uma palavra de consolo ou de incentivo, um sorriso nos lábios e uma aparência irrepreensível.

Redação CARAS
9 de junho de 2012, 16:00

Aherdeira do trono de Inglater­ra encontrava-se no Quénia, etapa de uma viagem que deveria levá-la ainda à Austrália e à Nova Zelândia, quando, a 6 de fevereiro de 1952, de manhã bem cedo, o marido lhe deu a má notícia: o seu pai, o rei Jorge VI, acabava de morrer, após vários anos de luta contra um cancro do pulmão. E foi assim que, num quarto construído sobre uma árvore gigantesca, no original Treetops Hotel, Isabel II se tornou rainha, há 60 anos. Regressando de imediato ao Reino Unido, a nova soberana foi recebida no Aeroporto de Heathrow com honras de Estado, o que significava a presença, entre outras altas individualidades, do primeiro-ministro, sir Winston Churchill.
O tempo é de luto, pelo que a rainha adia por um ano e quatro meses a cerimónia da coroação. Esse intervalo dá-lhe tempo para se preparar condignamente para a solenidade do dia. Porque se recusa a ouvir Churchill, que a aconselha a simplificar o cerimonial observado pelos seus antepassados, este inclui uma celebração religiosa de quatro horas na Abadia de Westminster durante a qual terá de suportar os 2,2kg da Coroa Imperial e o muito mais pesado manto de veludo carmim e arminho. Para se habituar a eles, Isabel passou vários meses a trabalhar no seu escritório de Buckingham com a coroa na cabeça e a fazer longas caminhadas pelos corredores do palácio com vários lençóis cosidos de forma a terem o mesmo peso e comprimento.
Curiosamente, se em tudo o que atrás foi dito Isabel II revelou o seu lado mais conservador, a sua coroação foi, também, a primeira demonstração de que a soberana (que hoje tem páginas no Facebook e no Twitter) estava atenta à mudança dos tempos e às evoluções tecnológicas. Contrariando, uma vez mais, a opinião de Churchill, decidiu permitir que a BBC fizesse a cobertura do evento, naquela que foi a primeira transmissão direta em mundovisão.
Na manhã do próprio dia, antes de o cortejo de coches reais percorrer as ruas entre Buckingham e Westminster, onde se aglomerava um milhão de curiosos, a jovem rainha assegura a uma das suas damas de companhia: "Já não me sinto ansiosa ou inquieta. É extraordinário, toda a minha timidez desapareceu" .
Junto ao altar de Westminster, perante o testemunho de mais de oito mil convidados, Isabel II profere o Juramento da Coroação, e, depois de ungida com os óleos sagrados – foi a última rainha europeia a receber tal bênção, indispensável pelo facto de o monarca inglês ser o líder supremo da Igreja Anglicana – é investida com o cetro, o globo e o anel real. Finalmente, o arcebispo de Cantuária, Geoffrey Fisher, impõe-lhe a coroa. Desde esse dia, a rainha tudo tem feito para estar à altura do seu "compromisso solene e religioso", comportando-se em todos os momentos com uma dignidade que todos os ingleses, monárquicos ou não, lhe reconhecem. Cumprindo a vontade do seu avô, preocupado com o moral dos ingleses depois da I Guerra, de manter a família real próxima dos súbditos, Isabel II, que subiu ao trono pouco depois do outro conflito mundial, tem sido exemplar como "segunda" mãe, avó e agora até bisavó do seu povo. Além das 83 visitas de Estado que fez a países estrangeiros (e muitas mais aos países da Commonwealth, comunidade de antigas colónias britânicas a que preside), e que lhe valeram ser considerada a mais importante embaixadora do seu país, tem honrado com a sua presença milhares de cerimónias de inauguração, visitado outros tantos hospitais, escolas e prisões, e, sem interferir ativamente na política, tem-se revelado uma conciliadora nata, o grande pilar da unidade nacional britânica.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras