Nas Bancas

Cansado de ser príncipe consorte, Filipe de Edimburgo vai reformar-se

Recordista do maior "mandato" de príncipe consorte, o duque de Edimburgo, de 90 anos, sente-se cansado de andar sempre atrás da mulher e, após a recente visita oficial que fez com a rainha aos Emirados Árabes Unidos, decidiu dizer adeus ao seu cargo.

Joana Carreira
6 de dezembro de 2010, 12:36

Príncipe consorte no ativo há quase 58 anos - desde 6 de fevereiro de 1952, dia da coroação de Isabel II de Inglaterra -, mas obrigado a aparecer em eventos oficiais ao lado da mulher desde o dia do seu casamento, há 63 anos, Filipe de Edimburgo é o mais velho a ocupar este cargo na monarquia europeia. Mas, a poucos meses de completar 90 anos - e, talvez não por coincidência, logo após o anúncio do noivado do seu neto William -, Filipe acaba de anunciar que pretende "reformar-se".

Rainha Isabel II com o marido, Filipe de Edimburgo
Rainha Isabel II com o marido, Filipe de Edimburgo
Reuters
Uma notícia que vem aumentar o tom dos que apostam que a soberana inglesa poderá estar a pensar em abdicar do trono por ocasião do jubileu dos seus 60 anos de reinado. Não por questões de saúde - Isabel, que completa 85 anos em abril, mostra-se em excelente forma e, se sair aos seus (a mãe morreu com 101 anos), poderá viver ainda muitos e bons anos em plena posse das suas capacidades físicas e mentais -, mas para poder usufruir em pleno, na reta final da vida, das suas ocupações preferidas: longas cavalgadas, passeios a pé pelo campo na companhia dos seus cães, jardinagem, caçadas, pescarias ao salmão em Balmoral e as suas palavras cruzadas diárias (é incondicional das do jornal
The Times
).


Filipe de Edimburgo, rainha Isabel II e o príncipe André de Inglaterra durante a visita aos Emirados Árabes Unidos
Filipe de Edimburgo, rainha Isabel II e o príncipe André de Inglaterra durante a visita aos Emirados Árabes Unidos
Getty Images
E apesar de Filipe não ser especialmente popular, pelas suas famosas
gaffes
públicas, algumas das quais verdadeiros incidentes diplomáticos, dificilmente a soberana continuará a reinar sem ter o marido a seu lado. Ou, melhor, atrás de si. Porque o príncipe de Edimburgo, que é primo afastado da mulher, abdicou totalmente de uma existência em nome próprio (nomeadamente da sua paixão pela vida no mar, ele que serviu na Royal Navy durante a II Guerra) para se manter na sombra de Isabel. E, segundo a psicóloga britânica
Dorothy Rowe
, essa é, aliás, a razão das suas
gaffe
s:
"Quando as pessoas fazem esse tipo de comentários sarcásticos, frequentemente estão a libertar sentimentos agressivos que têm dentro delas."


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras