Nas Bancas

Rei Juan Carlos de Espanha suspeito de ter dinheiro em paraísos fiscais

A ex-amante do anterior monarca, Corinna zu Sayn-Wittgenstein, acusa-o em escândalo financeiro.

Ana Paula Homem
18 de agosto de 2018, 11:00

Esta não foi a primeira vez nos anos mais recentes que o anterior rei de Espanha, Juan Carlos, faltou às férias familiares em Palma de Maiorca e perdeu a importante regata de vela com o seu nome. Este ano, porém, a sua ida era dada como certa. Até que começaram a sair na imprensa espanhola notícias que envolvem o nome do atual rei emérito num escândalo financeiro, que incluirá dinheiro em paraísos fiscais – haverá pelo menos uma conta bancária no Mónaco em nome de um primo, Álvaro de Bórbon, e outra na Suíça, em nome de um advogado suíço, Dante Canonica – e propriedades secretas no estrangeiro, entre elas uma em Marrocos. Depois disso, a Zarzuela anunciou que Juan Carlos afinal não iria às Baleares, justificando a ausência com o agravamento dos problemas que sofre na coluna.


A razão apontada pela imprensa, porém, é bem diferente: para proteger a sua imagem, o atual soberano, Felipe VI, terá querido evitar, nesta altura, ser visto ao lado do pai. A associação de Juan Carlos a um possível crime financeiro surgiu depois da divulgação das gravações de conversas que a alegada ex-amante do rei emérito, a alemã Corinna zu Sayn-Wittgenstein (que terá acabado a relação de seis anos com Juan Carlos na sequência do escândalo da caçada aos elefantes no Botswana, em 2012), terá mantido em Londres, em 2015, com um amigo, o empresário Juan Villalonga, e um ex-comissário da polícia, Juan Villarejo.

Nessas gravações, Corinna tenta limpar a sua imagem dizendo, entre outras coisas, que o antigo soberano espanhol se serviu dela como testa de ferro para ocultar os seus investimentos no estrangeiro, abrindo, por exemplo, uma conta em seu nome no Mónaco, onde a alemã reside, não porque a amasse muito, mas porque no principado não é necessário declarar rendimentos. Corinna revela ainda que Juan Carlos acumulou uma enorme fortuna com os negócios que manteve no estrangeiro desde os tempos em que ainda era apenas príncipe herdeiro e que tentou escondê-la usando para isso vários testas de ferro.


Essas conversas foram gravadas, supostamente, sem o conhecimento de Corinna e as gravações divulgadas no início de julho pelo jornal El Español, dando origem a uma investigação sobre as contas que Juan Carlos possuirá em paraísos fiscais, as propriedades que tem fora de Espanha e os 100 milhões de euros que terá recebido em luvas para viabilizar o projeto de um comboio de alta velocidade na Arábia Saudita.

A justiça espanhola iniciou, entretanto, diligências para apurar a verdade das afirmações de Corinna, e no passado dia 26 Villarejo (que está preso há nove meses por suspeitas de corrupção) assegurou perante o juiz Diego de Egea que se reuniu em Londres com a ex-amante do rei emérito por “ordem do Estado”. E que este encontro, registado pelo ex-polícia com um microfone oculto, pretendia resolver “os problemas de Juan Carlos com a sua amiga”. Declarações que o chefe dos serviços secretos espanhóis, o general Félix Sanz Roldán, já desmentiu, negando a interferência do Estado em tal reunião.


Adiante-se que a partir do momento em que abdicou, Juan Carlos perdeu a imunidade, mas sem efeitos retroativos. Ou seja, não poderá ser julgado por nada do que fez enquanto foi soberano de facto. Tal significa, portanto, que o mais provável é que esta história não tenha consequências. A menos que Juan Carlos dê ouvidos à imprensa, que já começou a aconselhá-lo a sair de Espanha.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras