Nas Bancas

Infanta Cristina: Acessórios de luxo em ida a tribunal suscitam comentários

Cristina e Iñaki Urdangarín foram pela segunda vez a tribunal no âmbito do caso Nóos, que envolve acusações de desvio de dinheiros públicos, razão pela qual os sinais exteriores de riqueza exibidos pela irmã do rei – uma mala de mais de mil euros e um relógio que custa 2.100 euros – causaram polémica.

CARAS
27 de fevereiro de 2016, 10:00

Uma mala Bottega Veneta que custa cerca de 1.350 euros e um relógio BR 123, avaliado em 2.100 euros, foram os dois objetos que despertaram a polémica. Afinal, a infanta Cristina enfrenta uma acusação de cumplicidade nos crimes imputados ao marido, Iñaki Urdangarín, que incluem desvio de dinheiros públicos, fraude fiscal, branquea­mento de capitais e falsificação de documentos, pelo que os sinais exteriores de riqueza do casal não têm sido vistos com bons olhos. Ninguém duvida que a irmã do rei de Espanha tenha um armário recheado de peças caras, mas o facto de a mala só estar à venda há quatro anos implica que tenha sido adquirida já depois de ter estalado este escândalo finan­ceiro (o caso Nóos remonta, recorde-se, a 2010), o que fez acender a polémica.
Esta foi a segunda ida de Cris­tina a tribunal, depois de se ter sentado no banco dos réus pela primeira vez em janeiro. A infanta arrisca uma pena que pode ir até aos oito anos de prisão.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras