Nas Bancas

451190638.jpg

Getty Images

Procuradoria anticorrupção solicita arquivamento da acusação da infanta Cristina

Pedro Horrach afirma que a acusação da filha de Juan Carlos e Sofía é baseada em "suspeitas". 

CARAS
9 de dezembro de 2014, 13:29

A Procuradoria anticorrupção solicitou hoje num documento entregue ao juiz José Castro o arquivamento da acusação da infanta Cristina no âmbito do caso Nóos, onde é alegadamente considerada cúmplice do marido, Iñaki Urdangarín.
Num anexo de 13 páginas, o procurador Pedro Horrach recrimina o facto de terem acusado a filha mais nova dos reis Juan Carlos e Sofía por dois delitos de fraude fiscal com base em “suspeitas”, já que esta está numa “posição indefesa”. “Não há dados, indícios, documentos ou declarações que provem o que até ao momento foi incapaz de justificar-se: uma prova mínima indiciada e objetiva”, pode ler-se. Além disso, Horrach sublinha a “falta de coerência” que houve na altura em que a irmã de Felipe VI foi indiciada.
No entanto, o sindicato Mãos Limpas pede ao juiz que Cristina seja levada a julgamento pelos delitos fiscais e reclama uma pena de oito anos de prisão.
Por sua vez, a Procuradoria anticorrupção solicita 19 anos e meio de prisão e uma multa de 2,5 milhões de euros para o marido da infanta, Iñaki Urdangarín. O duque de Palma é acusado dos crimes de corrupção, fraude fiscal, branqueamento de capitais e desvio de fundos públicos no valor de seis milhões de euros do instituto Nóos, onde foi presidente entre 2003 e 2006.
No auto de 576 páginas, Horrach pede que sejam julgados apenas 15 pessoas implicadas no processo, começando pelos principais sócios do Instituto Nóos, Urdangarín e Diego Torres, a mulher deste, Ana Maria Tejeiro, responsável pelos recursos humanos da entidade, e o irmão desta, Marco Antonio Tejeiro, contabilista da instituição.
A partir destes documentos, o juiz José Castro emitirá uma ordem de julgamento que determinará quem se sentará no banco dos réus.     

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras