Nas Bancas

Infanta Cristina formalmente acusada de fraude fiscal e branqueamento de capitais

O juiz espanhol José Castro decidiu manter como arguida a infanta Cristina, irmã do rei espanhol Felipe VI, considerando que deve ser julgada juntamente com o seu marido, Iñaki Urdangarin, por delitos fiscais e branqueamentos de capitais.

Lusa
25 de junho de 2014, 11:08

A decisão faz parte do texto de 167 páginas que marca o final da fase de instrução do caso conhecido com Nóos, um dos que mais danificou a imagem da família real e da monarquia espanholas.
No texto, o juiz José Castro apela ao Ministério Público e às acusações particulares para que solicitem a abertura da instrução do julgamento, formulando por escrito a sua acusação num prazo de 20 dias.
Em concreto, a infanta Cristina está acusada com o marido por dois delitos de fraude fiscal e por um delito de branqueamento de capitais.
O procurador anticorrupção Pedro Horrach confirmou já, hoje de manhã, que vai recorrer da decisão do juiz por considerar que "continua a não haver qualquer elemento contra" a infanta. Horrach considerou que esta é a única discrepância que tem tido com o juiz Castro neste processo.
Há ainda 13 outros arguidos no processo cuja investigação se alargou às administrações regionais nas Baleares, Valência e Madrid.
Entre eles contam-se o ex-sócio de Iñaki Urdangarin, Diego Torres, a sua mulher Ana María Tejeiro, e dois irmãos, o ex-presidente do Governo das Baleares Jaume Matas e vários outros responsáveis de organismos públicos da região.
Há ainda acusados vários responsáveis de organismos públicos de Valência e uma de Madrid.
A fase de instrução do processo - que investigou o alegado desvio de fundos públicos pelo instituto Nóos, presidido por Urdangarin entre 2003 e 2006 - demorou 1.436 dias e resultou num processo de mais de 58 mil páginas e 62 volumes. Foi aberto em fevereiro de 2006 depois do PSOE nas Ilhas Baleares ter questionado no parlamento regional o pagamento de 1,2 milhões de euros ao Instituto Nóos pelo Governo regional para a realização de um encontro sobre turismo. Investigações posteriores levaram à análise de outros acordos com o Nóos, tendo o processo acelerado em 2011 depois das primeiras rusgas e da primeira audição ao sócio de Urdangarin, Diego Torres.
O cunhado do rei espanhol foi constituído arguido em dezembro de 2011 e a sua mulher, a infanta Cristina, a 7 de janeiro, tendo prestado declarações ao juiz instrutor durante seis horas no passado dia 8 de fevereiro. Nessa audição histórica - pela primeira vez, um membro de uma casa real europeia respondeu perante a justiça por um caso de corrupção - Cristina negou envolvimento no caso Nóos e desconhecimento sobre muitas das perguntas colocadas.
A infanta Cristina foi a única ausente das recentes cerimónias de abdicação do seu pai, Juan Carlos, e de proclamação do seu irmão, Felipe VI.
Esta semana foi visitada pela rainha Sofia na sua casa em Genebra, Suíça, onde vive desde o final de agosto de 2013.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras