Nas Bancas

Iñaki Urdangarín arrisca pena de prisão

O marido da infanta Cristina será constituído arguido num caso de fraude e desvio de dinheiros públicos.

Pedro Amante
10 de novembro de 2011, 18:58

O caso 'Palma Arena' está a fazer manchetes em Espanha e coloca a família real no meio de mais uma polémica. Desta vez, o visado é Iñaki Urdangarín, marido da infanta Cristina, genro do rei Juan Carlos. O ex-jogador de andebol do Barcelona e da seleção espanhola, vai mesmo ser constituído arguido neste caso de fraude e desvio de dinheiros públicos.
O Departamento de Combate à Corrupção das Baleares acusa Iñaki Urdangarín de "apoderar-se" de "fundos públicos" do Governo balear, utilizando facturas falsas e inflacionadas para pagamento de serviços fictícios. O papel do duque de Palma neste 'processo' seria o de "entender-se" com os "responsáveis políticos" para desviar dinheiro de uma rede corporativa criada apenas para este fim.
No auto, o juiz José Castro escreve que a investigação sobre Urdangarín, os seus sócios no Instituto Nóos, do qual era presidente, e as autoridades implicadas, indica a prática dos crimes de fraude, prevaricação, falsificação de documentos e desvio de dinheiros públicos. Um dos pontos-chave deste processo é a receção por parte do Instituto Nóos de 2,3 milhões de euros referentes ao pagamento pela organização, em Maiorca, de um Fórum de dois dias dedicado ao turismo e ao desporto, que teve lugar entre 2005 e 2006. Fontes próximas da investigação indicam que o custo real das duas conferências e o dinheiro pago à empresa de Urdangarín apresenta um desvio de cerca de 2 milhões de euros.
A casa real espanhola não comenta, para já, o assunto e espera que sejam seguidos todos os trâmites legais.
O caso que agora se torna público já é comentado há algum tempo, nomeadamente, desde o verão de 2009, altura em que os duques de Palma se mudaram para Washington. Nesse verão, Urdangarín foi nomeado presidente da Comissão de Assuntos Públicos da Telefónica para a América Latina e Estados Unidos. Uma nomeação que, segundo se comentou, defendia mais os interesses dos duques em mudarem de país do que às suas necessidades laborais. Nessa altura, começou a falar-se em alguns círculos próximos da família real que esta mudança estava, única e exclusivamente, relacionada com a dimensão dos negócios de Iñaki e Cristina, sócia de algumas sociedades do marido.
A compra de um palacete de seis milhões de euros numa das zonas mais luxuosas e exclusivas de Barcelona foi o primeiro sinal de 'alarme' de que os negócios do duque de Palma iam de vento em popa. A infanta Cristina continuava a trabalhar na Fundação La Caixa e, para além disso, o casal recebia, e deverá continuar a receber, uma mesada atribuída pelo rei Juan Carlos, proveniente do dinheiro que é recebido para Casa do Rei. A compra desta casa, que esteve fechada desde 2009 e apenas foi alugada no início de 2011, surpreendeu os espanhóis, 'incrédulos' em como o casal alcançou tamanha prosperidade ao fim de sete anos de casamento.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras