Nas Bancas

Paola e Alberto da Bélgica

Paola e Alberto da Bélgica

Getty Images

Alberto da Bélgica tem três meses para se submeter a teste de ADN

A análise determinará se o rei emérito é o pai biológico da artista belga Delphine Boël.

CARAS
7 de novembro de 2018, 11:40

Aos 84 anos, Alberto da Bélgica vê-se entre a espada e a parede. O rei emérito terá de se submeter, no prazo de três meses, a um teste de ADN, para comprovar se é (ou não) o pai biológico da artista belga Delphine Boël. A decisão foi anunciada pelo tribunal de Apelação de Bruxelas, na passada segunda-feira, dia 5 de novembro.

A artista, de 50 anos, reclama a paternidade há cerca de cinco anos, mas só agora foi tomada a decisão que obriga o rei emérito a realizar o teste de ADN. A justiça belga terá determinado que Jacques Boël, a figura paterna de Delphine, não é o seu pai biológico - cinco anos após este já se ter submetido a um teste que provava isso mesmo, embora os tribunais não o tenham reconhecido na altura -, pelo que é necessário determinar qual a ligação a Alberto II.

O advogado rei que abdicou em 2013 por problemas de saúde, já veio afirmar que é possível que o prazo de três meses venha a ser recusado. Contudo, se o teste vier mesmo a ser realizado, e caso a paternidade seja comprovada, a fortuna de Alberto terá de ser dividida entre Delphine e os três filhos deste, fruto do casamento com Paola.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras