Nas Bancas

Laurentien da Holanda: uma princesa determinada a defender o planeta

A cunhada dos reis Guilherme e Máxima esteve em Lisboa, na inauguração de uma exposição no Oceanário.

Paulo Jorge Figueiredo
20 de julho de 2019, 16:00

Casada há 18 anos com o príncipe Constantino da Holanda, filho mais novo da princesa Beatriz, antiga rainha, a princesa Laurentien tem canalizado a atenção que naturalmente recebe por ser membro da realeza para dar voz às várias causas em que acredita. Licenciada em Ciências Políticas pela Universidade de Londres e com um mestrado em Jornalismo pela Universidade da Califórnia, a princesa, que chegou a trabalhar como jornalista na CNN, criou há alguns anos a Reading & Writing Foundation, que se dedica a combater a iliteracia, e a Missing Chapter, vocacionada para a sensibilização ambiental. Aos 53 anos, acredita que o seu papel na sociedade passa por ser uma espécie de intérprete, alguém que consegue desconstruir a linguagem científica de modo a ser entendida pelas crianças, e, por outro lado, põe os adultos a escutar realmente as crianças. Mãe de três filhos, Eloise, de 17 anos, Claus, de 15, e Leonore, de 13, a princesa conversou com a CARAS na inauguração de Hooked to Life, uma exposição de peças, do artista Vincent Mock, construídas com anzóis, que pretendem alertar para a alarmante exploração dos recursos marinhos que leva ao seu esgotamento.

– Sempre teve uma ligação especial com crianças. Escreveu, inclusivamente, alguns livros infantis...

Princesa Laurentien – Uma das coisas que faço é aproximar grupos de crianças das empresas. Acredito que devemos começar a partilhar poder com elas, para que nos ajudem a perceber o que estamos a fazer ao planeta. Muito do meu trabalho é viver com uma perna no mundo dos adultos e outra no mundo das crianças, e certifico-me de que as levam a sério ao ponto de conseguirem alterar algumas decisões.

– Ser princesa tem-lhe permitido dar voz a causas e chamar a atenção para os problemas que afetam o nosso planeta?

– Sinto que sou uma tradutora. Uma tradutora das visões e dos pensamentos das crianças para a forma de pensar dos adultos. Oiço também os cientistas, que têm uma linguagem própria, e os decisores políticos e ajudo-os a compreender e a traduzir os diversos tipos de discurso. Estou atenta às várias missões e, quando percebo que há projetos com objetivos idênticos, tento uni-los de modo a torná-los em algo ainda maior.

– O seu pai queixa-se que trabalha de mais. É verdade?

– [Risos.] Trabalho muito, é verdade. Não durmo muito, porque tenho noção da urgência, de estarmos a ficar sem tempo, e isso dá-me energia para fazer muito.

– As alterações climáticas no mundo são uma das suas grandes preocupações. O que diria a quem tenta negá-las?

– Se as pessoas não o entendem, poderemos fazer duas coisas: ou falamos mais alto ou iniciamos um diálogo em que questionamos porque é que não estão envolvidos no processo. E é isto que, a meu ver, tem faltado.

– Como é que nós, individualmente, podemos fazer a diferença no dia a dia?

– Tomando decisões conscientes. Há pequenas coisas que podemos fazer, como demorar menos a tomar banho. Nos Países Baixos demoramos uma média de nove minutos a tomar banho. Se passarmos a tomar em cinco minutos, poupamos 32 litros de água em cada banho. Se todos o fizermos, e por isso é que temos de mobilizar muita gente, estas pequenas ações acabam por ter um impacto gigante no ambiente. Um oceano saudável é essencial para o desenvolvimento humano. Temos de fazer muito mais do que temos feito até agora. Às vezes tenho vergonha da humanidade, da forma como estamos a tratar o planeta.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras