Nas Bancas

Máxima e Guilherme da Holanda: Um amor sem fronteiras que chegou ao trono

Os monarcas estiveram em Portugal para uma visita oficial de três dias.

CARAS
18 de outubro de 2017, 13:10

A convite de Marcelo Rebelo de Sousa, Máxima e Guilherme da Holanda estiveram em Portugal entre os dias 10 e 12 de outubro. Ao longo desta visita oficial, os soberanos da casa de Orange-Nassau ficaram a conhecer a Mouraria, a Fundação Champalimaud, Sintra e até Alverca, onde visitaram as instalações do complexo da indústria aeronáutica OGMA. Em todos os momentos desta visita, os reis mostraram o que são nas revistas: simpáticos e descontraídos. Assim, numa semana em que a cena social portuguesa teve como protagonistas duas das personalidades mais emblemáticas da realeza europeia, torna-se relevante conhecê-las melhor.
Casados há 15 anos, Máxima, de 46 anos, e Guilherme, de 50, personificam o amor das histórias de encantar. Conheceram-se numa festa em Sevilha, em 1999. Ele era o príncipe herdeiro do trono dos Países Baixos, ela uma plebeia argentina, loira, de gargalhada fácil e filha do polémico Jorge Zorreguieta, que foi ministro da Agricultura durante a ditadura militar do general Jorge Rafael Videla, a quem foram imputadas graves violações dos direitos humanos.
Se à partida esta história tinha tudo para não dar certo, a verdade é que atravessou ocea­nos, venceu preconceitos e acabou no altar, a 2 de fevereiro de 2002. Mesmo tendo sido obrigada a abdicar da presença do pai, e, por consequência, da da mãe, no dia do seu casamento, Máxima aceitou sempre as contingências que o seu novo papel lhe exigia, provando que uma mulher com salero consegue respeitar protocolos e enriquecer a própria monarquia. “Apaixonei-me por esta Máxima: espontânea, interessante e simpática. Sei que nem sempre será fácil, mas espero que ela continue a ser a pessoa que é”, partilhou Guilherme da Holanda pouco antes de se casar com a filha do antigo político argentino. Também Máxima fez questão de deixar clara a sua intenção em manter-se fiel a si própria: “Sou latina e vou continuar a sê-lo. Danço, canto e vou continuar a fazê-lo.” E, de facto, Máxima levou jovialidade e alegria à casa de Orange-Nassau, ao mesmo tempo que tem sido irrepreensível no cumprimento dos deveres oficiais e uma mãe muito presente para as três filhas, Amalia, de 13 anos, Alexia, de 12, e Ariane, de dez.
Outra das qualidades que todos lhe reconhecem é ter “olho” para a moda. Dona de um estilo eclético, a rainha da Holanda dá aos looks mais clássicos a dose certa de exuberância, usando com a mesma elegância um clássico toucado ou um turbante amarelo torrado. Por isso, nesta passagem por Lisboa esteve em destaque o seu guarda-roupa. Com visuais mais ou menos coloridos, uma coisa é certa: todos vão ser complementados com um sorriso.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras