Nas Bancas

2018-03-23_152053.jpg

Filha do emir do Dubai desaparece após revelações chocantes sobre o pai

Latifa partilhou um vídeo com declarações chocantes.

CARAS
23 de março de 2018, 15:27

Sheikha Latifa Mohammed al Maktoum, de 33 anos, é filha do emir do Dubai e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, Mohammed bin Rashid Al Maktoum, de 68, que tem mais 30 filhos.

No dia 4 de março, Latifa deixou uma mensagem de voz no Whatsapp à advogada britânica, Radha Stirling, e fez um apelo, "Por favor, ajuda-nos. Estão homens lá fora. Oiço disparos e estou escondida com a minha amiga". Estas foram as últimas palavras da princesa até agora. Terá, eventualmente, fugido do país com a amiga finlandesa, Tiina Johanna, e com um ex-agente secreto francês, Hervé Jaubert. Neste momento, o seu paradeiro é desconhecido.

Antes de desaparecer, Latifa deixou um vídeo de quase 40 minutos, no qual conta a sua história, o porquê de ter fugido e todas as torturas a que foi submetida, sob ordens do pai. "Este poderá ser o último vídeo que faço", começa por dizer na gravação, divulgada pela advogada.

"Se estás a ver este vídeo, não é uma boa notícia. Ou estou morta, ou numa situação muito má", acrescenta, após uma pequena introdução, na qual faz referência ao facto de o pai apenas querer saber dele próprio e do seu ego.

A princesa começa por contar a história de uma das suas irmãs, que terá fugido em 2000, por não ter qualquer liberdade. Após dois meses, foi encontrada no Reino Unido e levada de volta para o Dubai, onde chegou drogada.

Já havia tentado escapar em 2002, quando tinha 16 anos, mas foi capturada na fronteira. E foi aí que tudo piorou. "Prenderam-me no Dubai, sob ordens do meu pai. E torturaram-me. Um homem segurava-me e outro batia-me. Como estava em choque, foi como se nem sentisse dor. Fizeram-no repetidamente, durante cerca de meia hora. Nos restantes dias, as sessões de tortura duravam cerca de cinco horas", contou, acrescentando, mais à frente, que, após ser torturada, rastejava até à casa de banho para conseguir ter acesso a água.

Numa das sessões, disseram-lhe, "'o teu pai disse-nos para te bater até à morte. Essas são as ordens dele'. Ele é a pessoa mais malvada que conheço. Ele é pura maldade, não há nada de bom nele. Ele é o responsável pela morte de muitas pessoas".

Após os três anos que esteve na prisão, voltou a casa, onde a sua mãe "não mostrou compaixão e disse-me que havia coisas muito piores que aquela minha estadia na prisão." Esteve lá durante uma semana, até que teve uma crise e só gritava porque queria ver a irmã. Após este evento, foi levada para o hospital e, em seguida, de novo para a prisão. "Quando saí, odiava toda a gente, sentia que todos estavam contra mim e passei muito tempo com animais. Não interagia com pessoas", disse.

No verão de 2017, tomou a decisão de fugir novamente, na esperança de obter o seu passaporte. "O meu pai é um ser humano nojento. A forma como ele vive e como trata as pessoas não é o que os media 'dele' retratam. Os media são controlados no Dubai. Acho que é tempo de ele enfrentar as consequências do que fez na vida dele. Ele não me assusta. É um ser humano patético", termina a dizer.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras