Nas Bancas

4.jpg

Luís Coelho

Carlos Gil e Carla Neto: sucesso a dois no amor e no trabalho

O casal passeou na Galeria Vittorio Emanuele II horas antes do desfile do estilista na emana da Moda de Milão.

Joana Carreira
18 de março de 2018, 13:05

Carlos Gil e Carla Neto estão casados há 18 anos, e o sucesso a nível pessoal funde-se com o êxito profissional. Um ano antes da união, o estilista, por incentivo da então namorada, deixou de lecionar no ensino secundário e dedicou-se totalmente à indústria da moda. Uma profissão que o faz feliz e o preenche por completo. Mas deixemos a palavra aos protagonistas, que nos deram uma entrevista a propósito da apresentação da coleção Vinte e Quatro Horas na Semana da Moda de Milão.
Esta é uma parceria de sucesso no amor e no trabalho...
Carlos: Sim, eu trabalho na parte criativa, modelagem e confeção, e a Carla trata da parte logística, vendas e contabilidade.
Carla: Temos áreas diferentes, não têm nada a ver. [Risos.] Por isso acho que corre bem.
Dão-se sempre bem ou há muitas discussões?
Carlos: Não temos muito tempo para isso! [Risos.] Discutimos os assuntos no sentido da troca de ideias.
Como surgiu a ideia de lançar esta marca?
Antes de abrir o atelier, era professor do ensino secundário e professor de moda ao mesmo tempo. Foi quase uma imposição da Carla montar o atelier e a loja, porque ela tinha conhecimento das minhas capacidades. Depois, ela tomou as rédeas para explorar toda a minha criatividade.
Carla, deve ter um grande orgulho no seu marido...
Carla – Claro, um orgulho enorme, como é óbvio. Sempre lhe disse que ele tinha de ser um designer internacional. É muito bom ver os nossos produtos e a marca Carlos Gil no estrangeiro. A logística é completamente diferente, principalmente a exportação, que dá muito trabalho.
Há tempo para namorar?
Carlos – Nós namoramos a qualquer hora, em qualquer lugar. Todos os momentos podem ser vividos com intensidade e gosto. Como temos áreas distintas no trabalho, completamo-nos, sempre no sentido da felicidade.
Carla – Há sempre qualquer coisa boa a acontecer.
É esse o vosso segredo?
Carlos – Não sei se é segredo, mas sei que é uma vontade de sermos únicos, autênticos e verdadeiros. A minha grande luta na vida é ser feliz.
Carla – Quando somos felizes, somos bem resolvidos com a vida.
Carlos, em que é que se inspirou para esta coleção?
Gosto de estar sempre à frente no que toca à moda e àquilo que na realidade se vai usar. Precisamos de estudar muito as tendências, e eu estudo. Deve ser por isso que apareço nos principais cadernos de tendências a nível mundial ao lado da Fendi e da Prada. E isso é um alento muito grande, por isso vale a pena trabalhar. Esta coleção é destinada ao mercado que queremos atingir, Ásia e América, que é muito vasto e tem gostos muito próprios. Tenho de ter uma ideia muito concreta do que quero para que no desfile a imagem seja coerente. Não é fácil. A mulher que proponho vestir sai de casa de manhã para ir trabalhar e, no carro, tem algo diferente para poder ir a uma festa à noite. Portanto, é uma mulher do mundo, muito diversificada, que se veste para as 24 horas do seu dia.
Foi fácil fazê-la?
Não foi fácil encontrar o equilíbrio, mas consegui o meu objetivo. Queria ter um desfile que tivesse um apontamento Carlos Gil, que fosse muito coe-
rente a nível de imagem e, ao mesmo tempo, desportivo, elegante e sofisticado. É uma coleção com um aspeto muito moderno.
O reconhecimento internacional é importante?
Claro que sim. Em primeiro lugar, pelas pessoas que conheço, que vêm a Milão de propósito ver o desfile. E também pelas pessoas daqui, que me dizem para continuar.
Carla – Estamos gratos ao Portugal Fashion por nos fazer esta ponte. Estamos muito orgulhosos por termos conseguido cumprir os objetivos.
– São workaholics?
Temos 15 dias de férias e o resto das semanas a trabalhar sábados e domingos durante quase 24 horas.
Carlos – Provavelmente, o título da coleção deve-se ao facto de também trabalhar 24 horas por dia. [Risos.]
É muito dedicado ao seu trabalho?
– Dedico-me a 100%, de corpo e alma, a cada coleção. E isso é notório nos acabamentos das peças. É à dedicação que vamos buscar algum sucesso. É muito cansativo, mas vale a pena, pelo carinho de quem nos acompanha. O que mais quero é dignificar o meu nome e o de Portugal.
Tem necessidade de estar sempre a criar?
Tenho uma necessidade enorme de criar e de fazer coisas diferentes. O que queria fazer ontem já o quero fazer de outra forma amanhã. Por essa razão, todos os anos me proponho fazer cole-
ções com tecidos diferentes.

Fotos: Luís Coelho

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras