Nas Bancas

Joana Freitas: "Sou uma fada do lar, ao arrumar a casa arrumo a minha cabeça"

Aos 24 anos, a manequim mostra ter os pés bem assentes na terra ao falar do seu percurso profissional e da sua relação com João Alves, de 25 anos, com quem namora há cerca de três anos.

Joana Carreira
15 de maio de 2011, 13:55

Despachada, prática e sem papas na língua. Mas também vaidosa, independente e confiante. Assim é Joana Freitas, a manequim que ficou conhecida como uma das três meninas da segunda série de anúncios da TV Cabo em Portugal, há cinco anos. A CARAS esteve à conversa com a manequim, de 24 anos, que nos contou um pouco do seu percurso e falou de projetos... que não passam pelo casamento nem pelos filhos, pelo menos para já. Joana vive há dois anos com o namorado, João Alves, de 25 anos, profissional na área do marketing, e garante que estão bem assim.

Joana Freitas
Joana Freitas
João Lima
- É a típica manequim, vaidosa e viciada em roupa?

- Sou super vaidosa. Adoro roupa, sapatos e malas, não vale a pena mentir. Tenho de viver numa casa onde tenha um quarto só para a minha roupa. E gosto de andar sempre arranjada, mas isso um pouco por ser do Porto, as mulheres lá arranjam-se mais. E quando era miúda a minha avó dizia sempre que uma menina tinha de andar sempre aprumada porque nunca sabíamos como é que o nosso dia ia acabar e quem iríamos encontrar.


- O João deve ter de esperar bastante por si quando têm de sair...

- Não, o João também é super vaidoso. Às vezes sou eu quem tem de esperar por ele.


- Vivem juntos há dois anos. Pensam casar-se e ter filhos?

- Nem pensar. Isto está tão difícil para ganhar dinheiro, quanto mais para fazer casamentos. Quando era miúda era muito mais cor de rosa de cabeça e dizia que queria casar-me aos 19 anos e ser mãe nova. Hoje em dia já não penso nada disso. Ter filhos, só talvez aos 30. Claro que adorava ser mãe e acho que isso vai ser a minha maior realização pessoal, mas hoje em dia a vida é muito difícil e é complicado pôr um filho no mundo e ter condições para o educar e cuidar dele. E também não sei se estou preparada para já e tenho muito medo, porque para termos um filho, temos de lhe dar o melhor que conseguirmos. Não quer dizer que não conseguisse se viesse agora, mas prefiro ganhar bases mais sólidas e melhores primeiro. E estou numa boa fase de trabalho que quero aproveitar.


Joana Freitas
Joana Freitas
João Lima
- Portanto, o sonho do vestido de noiva não é para si?

- Já foi mais. Eu e o João estamos ótimos assim. Esta é também a primeira vez que vivo com um namorado e acho que um papel assinado não iria fazer muita diferença.


- Foi complicado adaptar-se ao facto de viver acompanhada?

- Não. Ajudou muito o facto de, quando vim para Lisboa, ter morado com dois amigos meus. Isso deu-me bagagem, porque sou uma pessoa muito arrumada, maníaca com as limpezas, e aprendi a partilhar o meu espaço com outras pessoas.


- E o João é muito desarrumado?

- Ao início era um bocado, era muito 'me-nino da mamã', e como também viveu muitos anos com a irmã, as coisas apareciam-lhe feitas... Houve, claro, algumas coisas que tivemos de limar, e agora está tudo bem.


- É dona de casa?

- Sou uma fada do lar! Limpo, vou frequentemente apanhar flores, faço biscoitos caseiros, bolos, cozinho muito bem. Adoro fazer as minhas coisas em casa e faz-me bem. Funciona como uma terapia para mim. Ao arrumar a casa, arrumo a minha cabeça também. Também tenho a sorte de ter bons horários, flexíveis. Tenho uma vida de princesa em que posso fazer o que quero à hora que quero. O João vai começar agora a ter horários mais rígidos, mas não é mau, porque tenho o meu espaço, o meu tempo e assim ele já não desarruma tanto.


Joana Freitas
Joana Freitas
João Lima
- É ciumenta?

- Não sou nada ciumenta. Às vezes é horrível, porque parece que não gosto das pessoas. O João é que é ciumento, mas não demasiado. Não é ser muito segura de mim mesma, não tenho é paciência para ser ciumenta. Às vezes brinco com ele a tentar mostrar-me ciumenta para ele sentir que gosto dele, mas ele diz-me logo para parar, que estou a ser ridícula. Nunca fui ciumenta. Acho que é uma perda de tempo.


- Namorar com o João acalmou-a, ficou mais serena?

- Sim, sem dúvida. Até porque antes de viver com o João, vivia com a minha amiga
Joana Duarte
e era completamente diferente. Éramos duas amigas, solteiras, claro que íamos à praia, íamos a festas, era uma 'curtição'. Com namorado isso acabou, agora é mais calmo.


- Sei que trabalha desde os 14 anos e aos 19 veio viver sozinha para Lisboa...

- Vim, quando ganhei o anúncio da TV Cabo. Como eu era a 'menina da televisão' tinha de gravar muita coisa sozinha e das três era a única que vivia no Porto. Os meus pais são fantásticos e apoiaram-me nessa decisão. Como trabalho na Central Models desde os 14 anos, eles aprenderam a dividir-me um bocadinho com Lisboa, porque havia vezes em que eu tinha de vir e ficava cá uma semana.


Joana Freitas
Joana Freitas
João Lima
- Os seus pais deixavam-na vir sozinha para Lisboa aos 14 anos?

- A princípio a minha mãe acompanhava-me, mas mais para me ensinar a andar de metro, a conhecer a cidade. Acompanhou-me na minha primeira sessão fotográfica, em que ainda não sabia muito bem o que fazer e foi muito bom tê-la lá ao meu lado a ajudar-me. Mas depois, ao fim de alguns meses, passei a vir sozinha. A minha mãe também tinha a vida dela, não podia deixar o emprego para me acompanhar.


- Sempre teve muita liberdade desde cedo...

- De certa forma, sim. Com responsabilidade, claro, porque a minha mãe é mãe de pulso e jogava por aí. Ela não me deixava vir sem saber o que é que eu andava a fazer, controlava muito bem as coisas. E também nunca lhe menti, portanto, ela sabia sempre onde eu estava. Os meus pais nunca tentaram dissuadir-me do meu sonho, incentivavam-me. Queriam era que eu fizesse as coisas bem feitas, que falasse com as pessoas certas.


- Acha que cresceu depressa demais?

- Inevitavelmente, acabei por crescer. Por exemplo, as minhas amigas não podiam sair à noite e eu já podia, se estava em Lisboa e me apetecia ir dar uma volta, ia. Comecei a viajar mais, a passar mais tempo sozinha, a ter de me desenrascar numa cidade que não é minha. A pressão também era muito maior, tal como a responsabilidade. Comecei a trabalhar o meu profissionalismo aos 14 anos.


Joana Freitas
Joana Freitas
João Lima
- Sempre quis ser manequim ou isso era um meio para atingir um fim, como o de ser famosa?

- Nunca quis ser conhecida, mas confesso que quando ganhei o Supermodel, aos 14 anos, comecei a pensar que, se calhar, era um bocadinho estrela. É claro que isso mexe com a cabeça de uma miúda que anda no 8.º ano. Era a 'maior' da escola. Mas a minha mãe teve o trabalho duro de me puxar sempre de volta à realidade, não deixou que eu me tornasse uma miúda fútil, nunca permitiu que eu deixasse a escola, nunca me deixou pensar que era superior a alguém.


- E todo o ambiente das festas, das revistas, quando veio para Lisboa, não a deslumbrou?

- Não. Primeiro, porque a minha carreira demorou muito a ser construída, por estar a viver no Porto e por ter prometido aos meus pais que primeiro terminava os estudos e depois trabalhava a sério. Não foi uma coisa instantânea. Depois, eu não ia muito a festas. Trabalhei durante sete anos na noite do Porto, porque sempre gostei de ganhar o meu dinheiro. Comecei com 14 anos e era relações-públicas de umas discotecas e bares, mas para miúdos. E como trabalhei tantos anos à noite, enjoei. Então, quando vim para cá, quase que não saía e desliguei-me da noite.


- Deve ter uma relação de grande confiança com os seus pais...

- Temos. Os meus pais deram-me essa liberdade porque eu também lhes dei provas de que podiam confiar em mim e que era diferente das muitas outras miúdas da minha idade. Tenho amigas do Porto a quem, aos 22 anos, ainda são os pais que lhes põem gasolina no carro. E eu aos 19 anos comprei o meu primeiro carro com o meu dinheiro, a pronto. Sou independente desde muito cedo. Graças a Deus, a minha mãe fez de mim uma mulher inteligente. Sempre me disse que se quisesse as minhas coisas, tinha de trabalhar para elas.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras