Nas Bancas

Ricardo Guedes e Débora Montenegro: Um casal apaixonado que dispensa rotinas

Os manequins partilharam alguns dos segredos que garantem o sucesso desta relação.

Joana Carreira
3 de janeiro de 2011, 12:29
Ricardo Guedes
, de 31 anos, e
Débora Montenegro
, de 26, namoram há mais de dois anos, mas quem fale com eles fica com a sensação de que a relação tem apenas umas semanas. Os constantes gestos de ternura, as gargalhadas partilhadas e as declarações públicas de amor são apenas alguns dos gestos que permitem a este casal de manequins viver em permanente clima de lua-de-mel. Por isso, é com naturalidade que dizem que não têm qualquer rotina instalada na sua relação e que continuam a sentir aquelas 'borboletas na barriga' que caracterizam a fase inicial dos namoros.

Os manequins anteciparam o seu
réveillon
e fizeram a festa no Castelo da CARAS, em Alcácer do Sal, onde partilharam os segredos desta história de amor.


Débora Montenegro
Débora Montenegro
Mário Galiano
- Fazem questão de festejar a passagem de ano?

Débora Montenegro
- Eu tinha o hábito de passar sempre a data fora, até conhecer o Ricardo. Ia sempre para o Brasil, Cabo Verde... Agora, passamos em família, o que também é agradável, mas acho que este ano vamos passar lá fora, não é,
baby
?

Ricardo Guedes
- [silêncio] É... [risos] Pois, desde que o
Tiago
nasceu [o filho, de seis anos], passo sempre o fim de ano em família. Também nesta altura toda a gente quer festejar e está tudo cheio, por isso, acabo por não fazer grandes planos. Costumo ficar sempre com os meus pais, os meus avós e é ótimo entrarmos num novo ano com as pessoas de quem mais gostamos. Mas como a Débora diz, também não é nada mau acabar o ano num sítio com calor... Assim, vou apanhar grandes ondas e venho com um bronzeado novo.

Débora
- Este ano, se tudo correr bem, vamos para a Tailândia e depois para a Indonésia. Já fomos os dois a Bali, mas ainda não conheço a Tailândia. Quando tiramos férias, temos mesmo de ir para um destino com calor. É uma condição obrigatória.


Débora Montenegro e Ricardo Guedes
Débora Montenegro e Ricardo Guedes
Mário Galiano
- À primeira vista, o Ricardo parece ser muito mais uma pessoa dada à diversão e a experiências mais radicais do que às rotinas familiares. Mas, com o que está a dizer, essa ideia cai por terra...

Ricardo
- Os meus pais sempre nos habituaram a estarmos todos juntos e a valorizar esses momentos. Quando posso, gosto de estar com a minha família. É ali que está o valor da vida.

Débora
- Eu também sou muito ligada à minha família, mas como vejo pelo Ricardo, no Norte as pessoas têm mais o hábito de estarem juntas. Eu também adoro a minha avó e, se pudesse, estaria todos os dias com ela. Mas lá em cima parece que é mais fácil criar estas rotinas.


- Por falar em rotinas, tem sido fácil evitarem a monotonia que, mais cedo ou mais tarde, acaba por se instalar em qualquer relação?

Ricardo
- Continuamos a viver este namoro como se fosse o primeiro dia. Temos uma vida muito simples, com imenso tempo livre, e isso ajuda a que tenhamos rotinas diferentes. Podemos ter um jantar romântico de dois em dois dias.

Débora
- Nós vivemos juntos, mas se calhar só à noite é que nos encontramos. Por isso, nunca caímos na rotina. É sempre bom, quando chegamos a casa, podermos estar um com o outro. Lutamos contra a monotonia. Nem eu nem o Ricardo gostamos de rotinas e inventamos coisas novas para fazer.


Débora Montenegro
Débora Montenegro
Mário Galiano
- Pode não haver rotinas, mas já se conhecem e, por isso, já não é aquela novidade como no princípio do namoro...

Ricardo
- A Débora consegue surpreender-me todos os dias. Por exemplo, ela não cozinhava e desde que estamos juntos já experimentei mais de trinta pratos feitos por ela. E este tipo de atitude ajuda a que não sintamos aquela monotonia.


- Nem tudo corre sempre bem numa relação. Como é que lidam com os momentos menos bons?

- Ela consegue fazer-me rir e a partir daí já nem consigo ficar aborrecido. Posso ver as coisas desarrumadas e não gosto, mas depois passa tudo.

Débora
- A vida é curta para estarmos aborrecidos. Não perdemos tempo com isso. Claro que às vezes nos chateamos, mas passado pouco tempo já esquecemos.


- Há ciúmes na vossa relação ou também não há espaço para isso?

Ricardo
- Eu sou um bocadinho mais ciumento... Quem tem ciúmes é quem gosta, mas até isso é falado entre nós.

Débora
- É bom ter ciúmes quando não é uma coisa doentia. E os nossos são saudáveis.


- Ao longo destes dois anos e dois meses, o que é que mais têm aprendido um com o outro?

Ricardo
- Eu adoro a forma como a Débora vê as coisas. Se lhe digo:
"Olha, gata, amanhã temos de ir para a Tailândia"
; ela diz:
"Vamos."
Desde que a conheço, a Débora é o verbo ir. Assim, estamos sempre prontos para fazer coisas diferentes. A nossa sorte é que hoje estamos em Alcácer do Sal, amanhã podemos ir para o Rio de Janeiro. Ela ajuda-me a valorizar o lado positivo das coisas, porque vê sempre as dificuldades como uma aprendizagem.

Débora
- O Ricardo tem este lado de miúdo doido, mas é bastante afetuoso e é muito paternal. Ele despertou em mim esse lado mais afetivo. Aprendi a dar mais atenção aos sentimentos. E ele também é como eu, leva as coisas na desportiva. Ah, também aprendi a ser mais arrumada. Ele é mesmo chato com isso! Eu queixo-me, porque o Ricardo está sempre a arrumar as coisas!


Débora Montenegro e Ricardo Guedes
Débora Montenegro e Ricardo Guedes
Mário Galiano
- A Débora falou agora do lado mais paternal do Ricardo. Como é a vossa relação com o Tiago, que tem agora seis anos?

Ricardo
- Acho que sou o pai da brincadeira, mas que também impõe regras. Digo que não a algumas coisas, mas depois exploro outras soluções com ele. Como pais, temos de os direcionar na vida, passar-lhes bons valores. O Tiago já é um senhor na forma de estar na vida, vem dele. O problema é que o meu filho mora no Porto e para poder estar com ele tenho de ir para o Norte. E não é fácil ser um pai ausente.

Débora
- O meu papel na vida do Tiago é mais de amiga ou de tia. Não me considero uma madrasta, nem gosto do nome. A minha convivência com ele é mais para a brincadeira. Tenho o papel de amiga. Foi uma relação que construímos de forma muito natural. Não foi nada imposto ou forçado.


- Já chegou o momento de terem um filho em comum?

Ricardo
- Falamos de bebés e planeamos isso... Mas os bebés só vêm a seguir ao plano financeiro, e com a nossa vida, temos de planear muito bem as coisas, porque não temos ordenado fixo.

Débora
- Já sinto imensa vontade de ser mãe, sobretudo depois do nascimento da minha sobrinha. Para o ano, penso realmente nisso... Mas ao lado do Ricardo, estou preparadíssima para ter filhos! Ele é um 'manual ambulante da grávida' e deu imensos conselhos à minha irmã.


Débora Montenegro e Ricardo Guedes
Débora Montenegro e Ricardo Guedes
Mário Galiano
- A nível profissional, sentem-se plenamente realizados ou gostavam de ter outros projetos?

Ricardo
- Eu gosto de trabalhar em moda e, enquanto puder, vou continuar nesta área, porque é o que sei fazer melhor.

Débora
- Eu tenho outros planos... Há várias áreas fora da moda de que gosto bastante, como a organização de eventos. Também gostava de apostar na televisão. Apresentei um programa de música e adorei a experiência.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras