Nas Bancas

Jani Gabriel afirma: "Não me deixo deslumbrar"

 A CARAS foi conhecer melhor a vencedora do Globo de Ouro para Melhor Modelo Feminino 2009. 

Joana Carreira
23 de agosto de 2010, 11:22
Jani Gabriel
ganhou, este ano, o Globo de Ouro de Melhor Modelo Feminino 2009. Mas há cinco anos
"nem sabia o que era a moda"
, conta. Aos 14 anos era uma adolescente normal que passava os dias entre a escola, em Vila Real de Santo António, Algarve, de onde é natural, e os treinos de basquetebol. Isto até ao dia em que apareceu na sua escola um cartaz a pedir candidatas para o concurso Elite Model Look. Os amigos insistiram e conseguiram convencê-la a participar, fazendo uma aposta com ela. Jani perdeu a aposta, mas ganhou o concurso. A partir daí, mudou-se para Lisboa e não parou. Hoje, com 19 anos, Jani é uma das manequins mais requisitadas do nosso país e ambiciona uma carreira internacional, mas sempre com os pés bem assentes na terra.
"Não deixei os estudos e quero formar-me em psicologia. Gosto de jogar pelo seguro"
, afirma.


- O que mudou na sua vida depois de ter ganho o Globo de Ouro?
Jani Gabriel -
Ganhar um Globo é razão para ficarmos ainda mais motivados com o nosso trabalho. É uma forma de reconhecimento que me dá força para continuar a lutar e ambicionar mais. É sempre bom ver o meu trabalho reconhecido. Agora, o que mudou foi mais o reconhecimento a nível das pessoas. Porque acho que a moda é uma área um pouco esquecida. Só quando ganhamos um prémio relevante como este é que as pessoas passam a saber quem nós somos. Mas com o Globo veio, também, mais trabalho, claro.


- Mas as pessoas passaram a reconhecê-la na rua?
- Algumas. Um manequim em Portugal não é muito conhecido, mas já tive alguns casos em que as pessoas me abordaram na rua... é muito bom. E em Vila Real de Santo António, de onde sou natural, foi diferente e muito giro. Cheguei, uns dias depois de ganhar o Globo, e toda a gente na rua me felicitou e me deu força. Fiquei muito contente.


- Como filha única, deve ser o orgulho da família...
- Sim, os meus pais estão muito orgulhosos de mim. Eles estavam presentes na Gala quando eu recebi o Globo, e isso foi, para eles, um momento muito especial.


Jani Gabriel
Jani Gabriel
Nuno Miguel Sousa
- Como é que os seus pais reagiram quando lhes disse que queria ser modelo? Apoiaram-na?
- Decidi que queria ser modelo aos 14/15 anos, quando ganhei o Elite Model Look. Inscrevi-me por mero acaso, numa aposta de escola, uma brincadeira, nem sabia o que era a moda. E foi assim: perdi a aposta, ganhei o concurso e cheguei onde cheguei. Os meus pais sempre me apoiaram, desde o início que me deram muita força.


- Nunca tiveram receio que se 'perdesse' ou deslumbrasse com esse mundo, muitas vezes associado a drogas, anorexias...
- É mais o que se fala do que aquilo que realmente se passa. É natural que, no início, os meus pais tivessem um certo medo, por também não conhecerem o meio, mas informaram-se e acompanharam-me desde sempre, já que eu só tinha 14 anos... perceberam que as coisas não eram assim tão negativas, e como estiveram sempre presentes, ajudaram-me a não ir por outros caminhos. Mas eu sempre tive 'cabeça' e não me desviei dos objetivos que tracei. Os meus pais confiam em mim, e isso para mim é muito importante.


- Então não se deixou deslumbrar?
- Não, não me deixei deslumbrar, e quem me conhece bem sabe que eu sou muito pacífica, faço as coisas com calma, nunca me iludi. Cada coisa a seu tempo.


- E namorado, tem?
- Não, não tenho namorado. Estou apaixonada pela vida. Tenho de dar mais tempo a mim própria. Nós temos uma vida um pouco instável, principalmente quem opta por um percurso internacional. Andamos sempre de um lado para o outro e, por vezes, não dá para conciliar as coisas.


Jani Gabriel
Jani Gabriel
Nuno Miguel Sousa
- É essa a sua prioridade agora, seguir uma carreira internacional?
- Comecei a minha carreira internacional, mas tive que parar para acabar os estudos. Fui para Paris pela primeira vez muito novinha, aos 15 anos. Agora que já acabei os estudos, voltei a Paris, de onde regressei há cerca de três semanas. O mercado in-ternacional é muito mais difícil do que o nosso, é uma grande competição, porque estamos a competir com modelos de todo o mundo. Mas isso não me desmotiva. Se nós queremos, temos de lutar. Ao início, ouvimos mais 'nãos' que 'sins' e quem não tem força pode desistir. Mas temos que persistir e acreditar que um dia as coisas vão dar certo.


- Onde quer chegar? Qual é o seu objetivo em termos de carreira?
- Não sei. Vou lutar para ver onde posso chegar. Agora vou começar esta nova etapa internacional e vamos ver o que vai dar. Não gosto de fazer planos antes das coisas surgirem, gosto de ir com calma.


- Os estudos ficaram para trás para se dedicar à moda?
- Não. Terminei agora o 12.º ano e vou para a faculdade, mas tudo terá de ser conciliado com a carreira. Se tiver muito trabalho... Se for possível, vou apostar em Psicologia, o curso que sempre quis desde pequena. Nunca se sabe o dia de amanhã e a carreira de manequim é muito curta. E eu gosto de ter duas coisas seguras, se uma não der, tenho sempre outra solução.


- Terminar os estudos e ir para a faculdade foi uma exigência dos seus pais?
- Não. Os meus pais sempre me deram liberdade para fazer o que quiser, a opção é minha, eu é que gosto de jogar pelo seguro.


*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras