Nas Bancas

Tara Jarmon em Lisboa, a criadora de moda abre as portas do seu universo privado

Numa breve visita a Portugal, onde também se vendem as suas criações, a canadiana falou dos três filhos, do seu divórcio e da dificuldade de encontrar um namorado quando se chega aos 40.

Melissa Tavanez
23 de novembro de 2009, 16:20

Quando a conceituada estilista de origem canadiana Tara Jarmon esteve em Portugal, quisemos conhecê-la pessoalmente. Apesar de a sua estada em Lisboa não ter sequer chegado aos três dias, Tara aceitou receber-nos por duas horas, durante as quais abriu um pouco a porta do seu universo privado e falou do seu divórcio de David Jarmon (ainda seu sócio), dos filhos, Zachary, de 20 anos, Camille, de 18, e Joshua, de 15, e de outras curiosidades...

- A moda sempre foi a sua paixão?

Tara Jarmon - Não. Enquanto vivi no Canadá, onde cresci, nunca pensei nisso. Foi só em adolescente, quando fui estudar para Paris, que me apaixonei pela moda. Foi uma coisa que quis muito fazer e comecei logo a pensar como poderia tornar esse desejo realidade, como poderia fundar uma empresa de moda... Não foi assim tão difícil, porque eu não tinha nada, estava a começar do zero, não podia ir mais baixo, só subir, não tinha nada a perder. Tinha 24 anos.

- E como conseguiu? Teve de conhecer as pessoas certas...

- Conheci o meu marido. Já não estamos casados, mas continuamos sócios. Uma história estranha. [risos] Ele já estava neste meio, sabia como fazer roupa, gerir um negócio, comprar tecidos... e eu aprendi muito com ele, embora na altura o David fizesse roupa para homem e eu para mulher.

- Foi o facto de trabalharem juntos que acabou por prejudicar o vosso casamento?

- Talvez... Havia, sem dúvida, muita pressão. Os casais que não trabalham juntos já discutem e apenas estão juntos à noite ou nos fins-de-semana... Agora, quando estão juntos o dia inteiro, com diferentes opiniões, as coisas põem-se noutra perspectiva. Não sei se foi esse o motivo, mas estarmos casados e trabalharmos juntos influenciou o facto de não termos conseguido fazer o nosso casamento resultar.

- É difícil trabalhar com a pessoa com quem se vive?

- Sim, é muito difícil. Não o recomendo. Apesar de hoje em dia termos quase o mesmo tipo de relação que tínhamos quando éramos casados: discutimos muitas vezes! Mas é diferente, porque quando vou para casa, à noite, não o vejo. [risos] Antes, depois do trabalho, à hora de jantar, continuávamos a falar de roupa, de trabalho, tal como acontecia também nos fins-de-semana... era de mais. Mas havia, também, coisas muito boas, obviamente. Ambos gostamos de moda, partilhamos essa paixão, mas talvez tenha sido de mais.

Tara Jarmon
Tara Jarmon
Mário Galiano
- Durante quanto tempo estiveram casados?

- Durante 16 anos, mas estávamos juntos há 20. E já nos conhecíamos desde que fui para Paris, há cerca de 25 anos. Já passou tanto tempo...

- Têm três filhos. Eles seguem as pisadas dos pais?

- Ainda estão a estudar, mas não parecem querer seguir as nossas pisadas. Talvez se tenham cansado de ouvir falar tanto de moda... Mas tenho esperanças de que pelo menos um deles queira seguir o nosso caminho. Os mais velhos, durante as férias de Verão, vão trabalhar para as lojas. Dizem que é muito difícil, que é duro estar ali todo o dia. [risos]

- Continua a ser solteira?

- Sim, não tenho namorado.

- Porquê? Não tem tempo para namorar?

- Há sempre tempo para isso. [risos] Mas não é propriamente fácil. É muito mais fácil quando se tem 20 anos do que aos 40.

- Não diria que lhe seja difícil captar a atenção de um homem, é bastante bonita e elegante...

- [risos] Obrigada. Mas acredite que é difícil. Quando tinha 20 anos e não tinha namorado, todos os meus amigos eram solteiros e era fácil combinarmos um programa. Agora não, são todos casados, se não o são, têm filhos... e para se sair é mais difícil. É muito estranho. E aos 20 anos gostava de toda a gente, agora, aos 40, encontrar uma pessoa simpática é mais difícil. Há homens muito chatos. [risos]

Tara Jarmon
Tara Jarmon
Mário Galiano
- Não tem paciência...

- Eu tenho paciência, mas é difícil encontrar alguém. Até há aqueles sites na internet para encontrar alguém, mas eu nunca fiz isso. Os meus amigos dizem-me muito: "Conheço alguém perfeito para ti." E eu digo logo: "Esqueçam, é uma péssima ideia."

- Ter um namorado não é uma prioridade...

- Não, de todo.

- É uma workaholic ou consegue encontrar um equilíbrio entre a família e o trabalho?

- Não há equilíbrio, mas agora já estou melhor: os meus filhos acabaram a escola em Paris e foram estudar para os EUA, o que me deixa mais tempo livre. Agora faço mais coisas, já não tenho que cuidar das crianças ao fim-de-semana. Há dez anos, só trabalhava... A indústria da moda apodera-se e toma conta de nós, não conseguimos sair e é impossível parar. As tendências estão sempre a mudar...

- Não se sente cansada?

- Às vezes, sim, mas adoro o que faço. É uma paixão. E vou continuar a fazê-lo durante muito tempo. Mas já não trabalho tanto como antes, das 8h às 20h. Agora tenho pessoas que me ajudam. Antes, nunca poderia deixar o trabalho e vir aqui, nem por um dia... Tenho de dizer que agora divirto-me mais.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras