Nas Bancas

Francisco d’Orey e Eda-Ines Etti

Francisco d’Orey e Eda-Ines Etti

Mário Galiano

Francisco d'Orey e Eda-Ines Etti: Um romance vivido à distância

O modelo é português, a cantora vive na Estónia. Conheceram-se nos EUA e há cerca de um ano que namoram entre viagens.

Andreia Guerreiro
14 de julho de 2009, 13:03

Ele é um modelo português, ela uma cantora estoniana. Conheceram-se numa festa em Nova Iorque há cerca de um ano e imediatamente sentiram uma boa empatia que, rapidamente, se tornou algo mais. Agora, namoram entre viagens e acreditam num futuro juntos, só não sabem bem onde. A CARAS quis conhecer melhor a história de amor de Francisco d'Orey, de 38 anos, e Eda-Ines Etti, de 28, e encontrou-se com o casal numa tarde à beira-mar, durante a segunda visita da cantora a Portugal.

- Como fazem para que a vossa relação resulte, já que o Francisco reside em Portugal e a Eda na Estónia...
Eda-Ines -
Falamos todos os dias várias vezes. O Skype é o nosso melhor amigo. Acho que esse é o segredo quando se está numa relação assim à distância. Mas ainda assim, apesar da longa distância, conseguimos encontrar-nos várias vezes. Ou o Francisco vai à Estónia ou venho eu a Portugal, encontramo-nos também pelo resto da Europa, como em Barcelona... E fizemos há pouco uma viagem à África do Sul.
Francisco - Ficámos lá um mês e meio, foi maravilhoso. Tem sido muito bom conhecermo-nos assim, passo por passo...

- Não deve ser fácil lidar com a distância...
Eda-Ines - Nós estamos sempre a planear viagens para saber quando nos vamos ver e quem vai onde. Não é assim tão difícil gerir as coisas e fazer com que resulte.Francisco - Por vezes acompanha-me nas minhas viagens de trabalho, e eu a ela, de modo a passarmos mais tempo juntos, como foi o caso de Barcelona, em que a Eda foi comigo. Aliás, o meu trabalho até corre melhor se ela estiver comigo, ando mais feliz, e isso reflecte-se depois...

- E como lidam com as saudades?
-
Sentimos muitas saudades um do outro, mas tentamos não levar isso a um extremo e não passarmos demasiado tempo afastados. Felizmente temos meios e possibilidades para isso. Somos pessoas habituadas a viajar, para ela não é nenhum pesadelo vir a Portugal, nem para mim é um drama ir à Estónia.
- E até quando pensam viver assim?
-
Claro que não queremos fazer isto para sempre. Se a nossa relação avançar como planeado, obviamente que não vai dar para estarmos assim à distância. Mas ainda não sabemos se ficaremos em Portugal, na Estónia ou noutro país da Europa.

- Mas já falam em casamento e filhos?
-
Sim, o que é normal em dois jovens apaixonados. Falamos sobre tudo um com o outro, e esses temas fazem parte das nossas conversas. Gosto de pensar em nós a vivermos por cá, pela Estónia ou talvez algures no meio. Por que não? Depende também do progresso das nossas carreiras. Vamos ver o que o futuro nos reserva.

- Tanto um como o outro têm profissões em que são bastante assediados. Como lidam com os ciúmes?
Eda-Ines -
Sou péssima a falar de relações em geral... Mas se quer saber, sim, sou um pouco ciumenta. Acho que toda a gente é. Temos é que ser espertos e saber controlar os ciúmes.
Francisco - Não sinto que os ciúmes interfiram na nossa relação. Aproveitamos o tempo que estamos juntos para desfrutarmos da companhia um do outro e para gozar esta fase boa que estamos a viver e não para nos aborrecermos com ciúmes.
Eda-Ines - Também não sinto isso, talvez sejam só uns ciúmes engraçados.

- Outra barreira na vossa relação é a língua. Vocês namoram em inglês...
Francisco -
Sim, poderia ser uma barreira, mas não é. Para nós tem sido uma evolução na aprendizagem do inglês. Tenho uma prima casada com um holandês a viver na Austrália e são bastante felizes. Ela fala holandês e ele português, os filhos, que têm entre três e cinco anos, falam as duas línguas mais o inglês, o que é fantástico. Portanto, quando olho para estes bons exemplos na família, mais certezas tenho.

- Com tantas viagens, já tiveram oportunidade de conhecer as famílias um do outro?
Eda-Ines -
Sim. Eu adoro a família do Francisco. Acho os portugueses muito calorosos, simpáticos, inteligentes... É um país de que gosto muito, portanto, só poderia mesmo gostar da sua família e dos seus amigos. Adoro Lisboa.Francisco - A minha família também simpatizou logo com a Eda, gostaram muito dela. E quando ouviram a música da Eda, ficaram maravilhados, o que foi muito importante para mim. Eu também já conheço parte da família dela e gosto deles todos. Temos a bênção das famílias, como vê.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras