Nas Bancas

Erika Oliveira em produção para a CARAS

Erika Oliveira em produção para a CARAS

Mike Sergeant

Erika Oliveira: "Se calhar, deveria ser mais competitiva, mas não sou"

A vencedora do Globo de Ouro para Melhor Modelo revela como lida com a fama e o sucesso

Andreia Guerreiro
31 de maio de 2009, 16:06

Na passarela, Erika Oliveira, de 28 anos, é uma manequim segura cuja presença não deixa ninguém indiferente. Aliás, foi o seu profissionalismo e uma carreira que já conta com quase 12 anos que lhe valeram este ano o Globo de Ouro para Melhor Modelo Feminino. Se na moda Erika dá nas vistas, no seu dia-a-dia, a manequim e booker da Loft-Elite é uma mulher simples e descontraída. Filha de pai português e mãe angolana, quis o destino que fosse nascer no Brasil. Com mais três irmãs, Erika cresceu numa família unida que ainda hoje é a sua maior referência. Entre a moda e a vida de todos os dias, a modelo vive ao sabor do momento, sem pressas para saber o que o futuro lhe reserva.
Foi sobre o sucesso, a moda e a mulher que está por detrás das passarelas que a CARAS falou com Erika, depois de uma produção fotográfica no coração de Lisboa.

- Como foi crescer numa casa cheia de mulheres?

Erika - Foi maravilhoso. Adorei! E um dia, se tiver filhos, gostaria de lhes poder proporcionar a mesma experiência. Quando são só mulheres, há um espírito de lealdade e de confiança muito grande. Estamos lá sempre umas para as outras, independentemente do que possa acontecer. Conversamos muito mais do que os homens, e sobre tudo. É muito íntimo.

- E não havia aquelas zangas de irmãs?

- Não. Nunca nos zangámos. Por isso é que me faz imensa confusão quando alguém diz que não fala com um irmão. Somos uma família muito unida.

- Pode dizer-se que é produto da mistura de duas culturas. O que é que tem na sua personalidade do Brasil e de Portugal?

- Do Brasil, tenho um espírito muito prático, é a expressão: "bola prà frente, que atrás vem gente". É a filosofia de não nos agarrarmos às coisas más. Quando uma coisa corre mal, sigo em frente. E os portugueses não são tão optimistas... Questionam tudo, voltam atrás... De Portugal, tenho o sentido forte da amizade. Aqui, as amizades são mais verdadeiras. Os portugueses são muito leais.

- Gosta de fazer planos?

- Não. [risos] Vivo muito ao sabor do momento. Adorava planear as coisas e ter tudo definido. Acho que não é muito bom viver sem planos. Quer dizer, por um lado, acaba por ser bom, porque se as coisas não dão certo, não me agarro às coisas e não sinto tanto a perda.

- Mas não sente a necessidade de ter alguma estabilidade?

- Sinto. E há coisas que são estáveis na minha vida, como o meu trabalho de booker na agência. Deu-me responsabilidade, porque tenho horas para me levantar e obrigações, e penso que isso é muito útil. A profissão de manequim não tem muito disso, porque nunca sabemos o que vamos fazer no dia a seguir. E eu também não consigo viver com essa instabilidade de ficar à espera que o telefone toque para ver se tenho ou não trabalho.

- Desde os 17 anos que é manequim. O que é que a atraiu neste mundo?

- A possibilidade de viajar e de viver o inesperado. Se, por um lado, gosto de sentir que tenho uma vida segura, por outro, adoro a aventura e os desafios que surgem de repente. Preciso de experimentar coisas novas. E, claro, o dinheiro. Com 17 anos já recebia como gente grande. E a moda permitiu-me estudar. Aqui em Portugal não é difícil conciliar a moda com os estudos.

- Sei que é uma pessoa discreta. Como é que lida com o facto de ser conhecida?

- Faz-me muita confusão ver-me numa revista como Erika. Se estou num desfile e saio numa fotografia, não me custa nada, porque estou em trabalho. Gosto muito do anonimato. A minha vantagem é que sou muito distraída e não reparo se as pessoas olham ou não para mim quando estou na rua.

- É uma pessoa competitiva? Gosta de ser a melhor?

- É óbvio que gosto de fazer um bom trabalho. Agora cabe aos outros dizerem se sou ou não a melhor... Se calhar deveria ser mais competitiva, mas não sou muito.

- Quem é a Erika fora das passarelas?

- Sou uma pessoa muito descontraída e enérgica. Tenho de estar sempre a fazer coisas. Adoro estar com os meus amigos e ter tempo livre. Sinto-me muito bem quando estou em grupo, não gosto de estar sozinha. Eu nem vejo futebol, mas vai tudo lá para casa para ver os jogos.

- Sente que, por causa da moda, deixou a sua vida pessoal para segundo plano?
- Não. Sei que perdi certas ocasiões ou momentos devido ao meu trabalho, mas não abdiquei da minha vida. E estou sempre a tentar compensar a minha família e amigos pelos momentos em que não posso estar com eles. Se falho em alguns dias, estou lá noutros.

- Casar-se e ter filhos são desejos que quer realizar?

- Claro que quero passar pela experiência de ser mãe. Acho que deve ser uma fase muito bonita da vida de uma mulher. Casar-me já não é algo que queira, mas não coloco essa hipótese totalmente de parte. Se tiver de acontecer, acontece. E se me casar, vai ser, de certeza, algo muito descontraído, como eu.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras