Nas Bancas

Aldeia da Mata Pequena

Reviver o passado numa aldeia saloia.

CARAS
1 de abril de 2017, 17:00

Há dezassete anos, Diogo Batalha, gestor, e a mulher, Ana Partidário, psicóloga, decidiram trocar o bulício de Lisboa pela paz e tranquilidade de uma aldeia escondida, semi-abandonada e quase em ruínas na região de Mafra. Começaram por reconstruir a sua própria casa e, ao longo dos anos, foram recuperando as restantes, criando o projeto turístico Aldeia da Mata Pequena, que hoje dispõe de treze casas de diferentes tipologias (de T1 a T3), todas elas com sala, casa de banho, cozinha equipada e quintal e uma com piscina, e com nomes sugestivos como Casa da Palha, do Ti Eduardo ou da Avó Aurora.
Respeitando rigorosamente a típica arquitetura saloia, utilizaram materiais de construção tradicionais – alvenaria de pedra, argamassas de cal, telha de canudo, madeiramentos em choupo, cedro ou casquilha –, mobilaram-nas e decoraram-nas com peças e objetos de outros tempos, dotando-as, em simultâneo, de todas as condições de conforto de que hoje sentimos falta.
De forma a que os visitantes se sintam verdadeiros aldeões, na cozinha de cada casa há produtos da região para o pequeno-almoço, entre eles pão de Mafra cozido em forno de lenha, deixado ainda a fumegar em todas as portas.
Passar uns dias na Aldeia da Mata Pequena permite ainda um regresso a um estilo de vida campestre pelo facto de ali persistirem animais de quinta como o burro Augusto, o porco Guedes, as cabras, os coelhos, os perus, os patos, as galinhas.
Depois, numa envolvente de uma beleza paisagística de cortar a respiração, não faltam trilhos pedestres que permitem a descoberta de rios, cascatas, moinhos, azenhas e aldeias abandonadas.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras