Nas Bancas

S. Miguel: Encantos por cima dos vulcões

Trata-se da maior ilha do arquipélago dos Açores.

Ana Paula Homem
16 de dezembro de 2012, 14:00

Há 4,6 biliões de anos, Deus criou a Terra. E pareceu-lhe perfeita. Há 8,1 milhões de anos, porém, percebeu que lhe faltava um pequeno detalhe para a perfeição. Revolveu o fundo dos mares e deles fez sair, uma a uma, num longo parto marcado por rugidos, abanões e jatos de fogo, nove ilhas de picos elevados, lagoas serenas e profundas, costas agrestes de areais negros recortadas, aqui e ali, por baías tranquilas e acolhedoras, caldeiras vulcânicas, muitas e de todos os tamanhos. Algumas com tamanho para acolher cidades lá dentro, outras pouco maiores que uma mesa de jantar. Apaixonado por esta sua criação, Deus quis que esta fosse a sua obra inacabada, pois, de tempos a tempos, faz-lhe alterações mais ou menos profundas na fisionomia, que vai sempre retirar às entranhas da Terra e que podem modificar da cor ao relevo e às dimensões daquelas ilhas.
Entretanto, há cerca de seis séculos, Deus quis testemunhas para a sua maravilhosa criação e conduziu até às ilhas as pequenas embarcações de uns intrépidos marinheiros. Deslumbrados com o que acharam, os portugueses fi­zeram do arquipélago um porto de abrigo a meio do imenso oceano Atlântico. Povoaram aquelas nove jangadas de pedra, cultivaram-nas e, graças a um clima ameno, mas sempre húmido, transformaram-lhe a natureza, cobrindo o seu solo vermelho (se de formação mais antiga) ou preto (se de formação mais recente) de todos os tons de verde que para ali conseguiram levar dos quatro cantos do Planeta.
S. Miguel, a maior e a segunda a ser descoberta, impôs-se naturalmente como a capital. Com isso, é certamente a que mais tem sofrido com as alterações que o ser humano impõe aos seus habitats, algumas das quais violam profundamente a natureza. Ainda assim, quando nos afastamos um pouco da “civiliza­ção”, a ilha continua a ter mil e um encantos para nos mostrar.              

A NÃO ESQUECER:
Como chegar: A SATA voa diariamente de Lisboa e Porto para S. Miguel, disponibiliza agora, a excelentes preços, a modalidade de compras coletivas (www.sata.pt).
A não perder: Lagoas do Fogo e das Sete Cidades, Furnas (com paragem no Centro de Monitorização), piscinas naturais das Termas da Ferraria, Fábrica de Chá da Gorreana. Para observação de cetáceos e golfinhos e inúmeras atividades ao ar livre, consulte www.picosdeaventura.com.
Onde ficar: Hotel Marina Atlântico, em Ponta Delgada, Hotel Terra Nostra, nas Furnas (www.bensaudehotels.com).

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras