Nas Bancas

Copenhaga: Uma cidade de espírito livre, por Maria João Ruela

Na capital da Dinamarca há tradição em andar de bicicleta no dia-a-dia.

Maria João Ruela
9 de dezembro de 2012, 15:00

Aterrei em Copenhaga e tinha um ‘viking’ à minha espera. É louro, alto e gosta de beber. Um amigo dinamarquês, com sotaque brasileiro, que conheci em Portugal. Viajar à boleia dos amigos é mesmo a melhor maneira de conhecer os outros países.
Copenhaga prometia festa e algum frio, sem grandes expectativas em relação às vistas ou à gastronomia. Acabou por se re­velar uma agradável surpresa em todos os aspetos. Fiquei em casa do meu amigo, num bairro central que já foi de má fama, mas que agora é de movida. Os prédios, antigos como o bairro, estão a ser recuperados por famílias jovens e o ambiente descontraído sente-se nas ruas. A começar pelas bicicletas. Acredito que se Amesterdão tem a fama, Copenhaga já lhe ganha em proveito – todos, sem exceção, pedalam no dia-a-dia. As bicicletas ficam arrumadas nos pátios interiores dos prédios, onde há sempre lugares de sobra para as visitas. Aliás, o espírito prático dinamarquês dita outras regras que também ficariam bem neste Portugal em crise: nestes pátios interiores há um espaço onde se deposita o que já não serve, mas que ainda funciona e poderá ter uso pelos vizinhos. Foi lá que encontrei a bicicleta velha que usei durante a visita, foi lá que o meu amigo recolheu a máquina de lavar que instalou na cozinha.
Há quem partilhe muito mais. Christiania é a mais antiga co­munidade livre da Europa. Por lá não há quem mande, nem mesmo o governo da Dinamarca. As casas foram levantadas e ocupadas pelos moradores, que vivem do que produzem, na terra e na arte. Esta comunidade hippie está aberta aos de fora, num dos recantos mais bonitos e tranquilos da cidade.
Aproveitei Copenhaga assim, de espírito livre e força nas pernas... e para o almoço não dispensei as sanduíches de pão escuro. Mas podia ter ido ao melhor restaurante do mundo, que também fica lá!

A NÃO ESQUECER:
Como chegar: A TAP voa diariamente para Copenhaga.
Onde ficar: Junto à Estação Central há vários hotéis de cadeias internacionais.
Onde comer: No antigo bairro “red light” há pequenas casa de chá que servem refeições “gourmet” e inúmeros restaurantes vegetarianos. Nas docas há restaurantes mais requintados, mas mais caros.
A não perder: O edifício da Ópera, o Tivoli e o Museu do Design.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras