Nas Bancas

Venezuela - Ilha Margarita: A Pérola das Caraíbas

"Conhecida como a Pérola das Caraíbas, a ilha venezuelana despertou a atenção dos conquistadores espanhóis pela sua abundância de pérolas."

Andreia Guerreiro
10 de outubro de 2009, 12:45

Falar da ilha Margarita é falar de Paraguachoa, nome originariamente atribuído pelos índios que habitavam esta terra das Caraíbas na época pré-colombiana, em que o dinheiro não tinha significado e o mar representava riqueza, alimento e prosperidade. Conhecida como a Pérola das Caraíbas, a ilha venezuelana despertou a atenção dos conquistadores espanhóis pela sua abundância de pérolas.
Dada a sua vulnerabilidade, rapidamente os colonizadores se predispuseram a dotá-la de inúmeras fortalezas, com as quais tentaram, em vão, dissuadir os invasores.

Margarita é rica em monumentos, legado da ocupação espanhola, podendo encontrar-se, espalhados por toda a ilha, inúmeros fortes e igrejas. Destacam-se a Basílica Menor de Nuestra Señora del Valle, a Catedral de La Asunción e a Igreja de San Juan Evangelista, numa terra marcadamente católica, onde as grandes festividades são de carácter religioso.

Localizado no interior, no município de San Juan Bautista, o Parque Nacional Cerro Copey é uma das maiores atracções de Margarita, particularmente para os amantes da Natureza. Esta região foi declarada parque natural em 1874, pela sua riqueza paisagística e biodiversidade. Desde macacos e rãs, a esquilos e veados, são inúmeras as espécies animais que aqui se podem contemplar. Mas a ilha oferece também uma enorme diversidade de práticas desportivas, das mais radicais às mais relaxantes. É possível jogar golfe ou andar a cavalo pela praia, fazer caminhadas pelos muitos trilhos, surfe e
kitesurf
ou apreciar a beleza do mundo subaquático caribenho.


Uma simpatia e simplicidade genuínas caracterizam a arte de bem receber dos margaritenhos. E se faz falta um bom ritmo e alguma agitação, a noite vem e traz o bulício dos bares, discotecas e casinos. O som do merengue e da salsa impõe-se quando chega a hora de dançar, e os margaritenhos, fiéis às suas tradições, deixam-se levar pelo ritmo vibrante das Caraíbas.

Quem chega à ilha Margarita encontra uma cultura esfuziante, uma mistura exótica de costumes espanhóis, indígenas e africanos. A jóia da coroa do turismo venezuelano provou ser merecedora da fama que a persegue, sem descurar a discreta modéstia das suas origens.

A não esquecer

Como ir: Com a TAP, via Caracas.
A não perder: Parque Nacional Cerro Copey; Forte de Juan Griego; Igreja de San Juan Evangelista; Basílica Menor de Nuestra Señora del Valle.
Idioma: Castelhano.
Moeda: Bolívar (€1 = 3 bolívares).
Clima: Quente e seco e temperado durante todo o ano.
Informações úteis: Não é necessário visto, unicamente passaporte válido por seis meses.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras