Nas Bancas

Motores: Ao volante da Volvo XC70

A carrinha topo de gama da marca sueca é elegante, respira qualidade por todos os poros, com um habitáculo luxuoso e um design exterior robusto, mas requintado

Luís Cáceres Monteiro
27 de junho de 2014, 13:09

Decidi viajar até ao Algarve para um ensaio dinâmico com a versão da Volvo XC70 equipada com o novo motor D4 de 181 CV de potência, associado a uma eficaz caixa automática Geartronic de oito velocidades.
Em 2010, a construtora automóvel chinesa Geely comprou a Volvo ao gigante norte-americano Ford. Os clientes da marca ficaram desconfiados. Como sabemos, os chineses gostam de adaptar o design e aproveitar as boas ideias da concorrência. Neste caso, os chineses decidiram manter a maioria dos quadros da marca, tudo correu da melhor forma. O ADN e a autenticidade da Volvo permaneceram intatas. A gama de modelos foi alargada, o sucesso comercial é uma realidade bem visível nas estradas de todo o Mundo. O regresso em grande dos V40, o lançamento da carrinha V60, a aposta na linha desportiva R-Design, o sucesso dos XC 60, e, no final do ano, após o salão automóvel de Paris, o lançamento do XC90 que abandona a pouco consensual consola central em "ponte". A Volvo anunciou recentemente uma nova plataforma para smartphones com tecnologia Android que disponibilizará na próxima geração de produtos. 
Antes das viagens mais longas gosto de verificar o estado dos pneus, espreitar o nível do óleo, o líquido de refrigeração, colocar a bagagem devidamente arrumada na bagageira, neste caso são 575 litros de capacidade. O banco traseiro tripartido permite transportar três adultos com o máximo conforto, além de que é rebatível 40/20/40. Esteticamente todas as gerações desta carrinha têm conseguido bons resultados comerciais. É importante referir que mesmo as XC70 usadas têm um valor comercial elevado. A Volvo tem gradualmente conseguido melhorar o valor de retoma dos seus carros que era relativamente baixo quando comparado com os concorrentes da Audi, BMW e Mercedes. 
Motor económico e agradável de conduzir 

Fiquei agradavelmente surpreendido com a energia do novo motor de 181 CV do Volvo XC70. É a mais recente geração de motores turbo Drive-E de quatro cilindros da marca. Não podemos esquecer que é um bloco 2.0 litros e que esta carrinha pesa mais de duas toneladas, sinceramente, não estava à espera de conseguir uma média inferior a 7 litros para percorrer 100 quilómetros. Em autoestrada aproveitei para colocar o cruise-control adaptativo com travagem automática a 120 km/h e rodar a bom ritmo, sempre em segurança. Se o veículo da frente parar de repente e o condutor não reagir, o sistema City Safety aplicará automaticamente os travões, a velocidades até 50 km/h. O motor diesel commmon rail é muito silencioso. Graças ao binário de 400 Nm logo às 1.750 rotações permite-nos uma condução descontraída, sempre com a força necessária, sem sobressaltos. Fiz apenas uma paragem na área de serviço de Grândola para beber um café e comprar a imprensa do dia, sim, é verdade, ainda sou daqueles que tenho o hábito de comprar jornais e revistas... Antes de chegar à portagem do Algarve, em plena reta, lá estava o radar da Brigada de Trânsito. Olha o passarinho! Acho que fiquei bem na foto!
Ao longo dos três dias que estive em terras algarvias, a carrinha Volvo XC70 portou-se de forma impecável. Tanto nas estradas nacionais como nos estradões de terra batida. Tudo funciona bem, tudo é intuitivo. A carrinha desenha as curvas de forma perfeita. A tração integral entrega a potência a cada um dos eixos na medida certa contribuindo para uma segurança de condução acrescida. É uma carrinha premium, que concorre com a Audi A6 Allroad Quattro, que está à venda a partir de 75 mil euros, se bem que neste caso o motor proposto tem 204 CV de potência. A Volvo XC70 rivaliza, igualmente, com carrinhas com características diferentes, menos off road, como a BMW 520d xDrive com caixa automática (motor 190 CV) que custa 60.900 euros e a Mercedes Classe E 250 CDI 4MATIC (motor de 204 CV) a partir de 64.240 euros.
O Volvo XC70 sente-se à vontade nos diferentes tipos de terreno graças à tração integral e a uma altura ao solo que permite enfrentar tranquilamente os estradões de terra batida mais irregulares. A velocidade máxima anunciada é de 210 km/h. O sistema de assistência ao arranque em subidas Hill Start Assist funciona bem e é um bom auxílio do travão de mão elétrico. Opcionalmente, temos, ainda, o controlo de descidas acentuadas Hill Descent Control. A versão que pode ver nas imagens está munida de um equipamento de série muito completo. No nível Summum encontramos banco do condutor e passageiro elétrico, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, teto de abrir elétrico, bancos em pele, no caso do pack winter pro acrescenta bancos aquecidos para todos os ocupantes, volante e para-brisas e lava faróis aquecidos, um luxo! Referência para outra das novidades recentes da Volvo. O sistema Sensus Connected Touch, ativado por voz que permite ao condutor desfrutar de uma forma fácil e intuitiva do sistema de navegação, além de ter acesso a uma plataforma de informação e entretenimento com base na Internet, com diferentes aplicações, que funciona muito bem.
O Volvo XC70 mais acessível, D4 Momentum, custa 51 mil euros. A carrinha que pode ver nas imagens é a D4 Summum AWD Geartronic que vale 67.500 euros.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras