Nas Bancas

Motores: Ao volante do BMW Gran Coupé 640D

Viagem a bordo de um automóvel que alia a dinâmica da condução ao luxo

Luís Cáceres Monteiro
27 de abril de 2013, 00:25

O BMW Série 6 Gran Coupé é um daqueles automóveis a que ninguém fica indiferente. O sedan da marca alemã combina linhas exteriores elegantes com um interior requintado onde o bom gosto impera.
Os concorrentes diretos deste modelo são o Mercedes CLS, Audi A7 e o Porsche Panamera. O pack desportivo M inclui o spoiler dianteiro e traseiro e as embaladeiras. O conjunto é completado pelas jantes de liga leve M de 20 polegadas (opcionais que custam 1.122 euros), ponteiras de escape em cromado escuro e pelas pinças de travão pintadas em preto. O cockpit está totalmente orientado para o condutor. Os bancos da frente com regulação elétrica em pele/alcantara antracite oferecem bom apoio lateral mesmo em condução desportiva. Graças ao conceito de bancos 4+1, o Série 6 Gran Coupé oferece espaço para três pessoas na traseira, de qualquer forma, atenção, neste caso, não são aconselháveis viagens longas para o passageiro que viaja no lugar central.
Dinâmica de condução

Ao longo de três dias fiz mais de 1000 quilómetros entre Lisboa e o Algarve. Os genes desportivos deste BMW Coupé manifestam-se ao mínimo pisar do acelerador. Ajustei o volante, regulei o banco, os espelhos, sincronizei o telemóvel através do ConnectedDrive. O volante M possui excelente aderência. Basta um movimento rápido para acionar as patilhas seletoras de mudanças no volante para acelerar o Série 6 Gran Coupé. A transmissão automática de 8 velocidades Steptronic permite uma utilização impecável das mudanças. O desempenho dinâmico em curva é pautado por uma agilidade fora do normal para um carro que pesa 2.400 kg. O BMW 640d Gran Coupé é um veículo que entusiasma o condutor mais exigente. Ostenta a tecnologia TwinPower Turbo, o sistema de injeção direta Common Rail e um turbocompressor TwinScroll. O motor diesel de seis cilindros em linha exibe um binário de 630 Nm disponível entre as 1.500 e as 2.500 rpm, mesmo em baixos regimes de rotações, debitando uma potência máxima de 313 CV. Fiquei surpreendido pelo silencio a bordo.
Consegui fazer consumos médios de 8,2 aos 100 km. O depósito tem capacidade para 70 litros. O bloco diesel permite uma aceleração de 0 a 100 km/h em 5,4 segundos. Não fiz grandes arranques mas a alma deste BMW está sempre presente! Graças à direção ativa integral é possível tirar o máximo partido do eixo traseiro direcional, oferecendo maior agilidade nas diferentes situações de condução. A direção ativa integral contribui igualmente para garantir mais agilidade e estabilidade, facilitando também as manobras de estacionamento. Neste caso, as câmaras na frente e tarseira do veículo são uma ajuda preciosa. Até uma velocidade inferior a 60 km/h as rodas dianteiras viram em sentido oposto ao das rodas traseiras, encurtando o diâmetro de viragem e aumentando a precisão na condução em curva. A uma velocidade acima dos 60 km/h as rodas dianteiras e traseiras passam a virar na mesma direção. O Dynamic Drive e o controlo dinâmico do amortecimento reduzem as oscilações da carroçaria, permitindo uma afinação independente e individual dos amortecedores.
O modo Sport oferece uma condução particularmente dinâmica, enquanto o modo Comfort + permite desfrutar de uma viagem descontraída. Em estrada optei por rodar no modo Eco Pro que optimiza a economia.  O Série 6 Gran Coupé vem equipado de série com componentes do programa BMW EfficientDynamics. Através da regeneração da energia de travagem, permite-nos carregar a bateria com a energia que antes serviu para acelerar.
Tecnologia ao serviço do condutor

Fiquei agradavelmente surpreendido com o funcionamento do cruise control adaptativo. É possível gerir a velocidade a que pretendemos viajar, além de ser fácil controlar a distância de segurança para o carro que segue na dianteira. Este sistema revelou-se muito útil e funcional, permite-nos descansar e ao mesmo tempo viajar em segurança. Claro que é necessário estar sempre atento. Vários sensores e câmaras avisam o condutor quando o veículo sai da faixa de rodagem, excede o limite de velocidade ou quando outros veículos se aproximam.
A traseira é monitorizada pelos sensores do sistema de alteração da trajetória. Um símbolo projetado no retrovisor exterior avisa o condutor quando se encontra um veículo no ângulo morto ou se aproxima rapidamente da traseira da sua viatura. Se o condutor aciona o indicador de mudança de faixa de rodagem, o sistema inteligente avisa-o por meio de vibrações ou sinais intermitentes.
À frente do veículo a câmara do sistema de aviso de transposição involuntária da faixa de rodagem está sempre ativa. A câmara monitoriza a berma da estrada e a linha lateral de marcação da via, com o veículo a circular acima de 70 km/h. Antes do condutor se desviar involuntariamente da trajetória, o sistema avisa-o através de vibrações no volante. Com o indicador de mudança de direção acionado esta função é desativada enquanto o veículo curva.
O série 6 Gran Coupé está equipado com o sistema de som Surround Bang & Olufsen. O altifalante central situado no tablier é ligado sempre que a música começa a tocar. Uma lente acústica adapta o volume e o som, permitindo produzir um excelente ambiente sonoro em todo o habitáculo.
O 640d Gran Coupé com o motor 3.0 diesel de 313 CV está disponível a partir de 110.004 euros. A unidade que vê nas fotografias vale 149.930 euros. Neste caso, são 32.459 euros de equipamento opcional. É um carro que paga praticamente 14 mil euros de Imposto. Um automóvel ao alcance de uma minoria...o que vale é que sonhar ainda não paga imposto!

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras