Nas Bancas

Motores: Ao volante do novo Peugeot 208

O CARAS Motores foi até Cascais para um primeiro contato com o novo modelo da marca francesa. Um preço competitivo, a utilização de tecnologia que habitualmente não encontramos neste tipo de carros e um conforto acima da média são alguns dos elementos em destaque.

Luís Cáceres Monteiro
11 de abril de 2012, 19:09

O novo Peugeot 208 chega a Portugal no próximo dia 19 de Abril de 2012 e os responsáveis da marca francesa escolheram a região de Cascais para realizar a apresentação internacional do novo modelo. Jornalistas de todo o mundo conduziram o 208 num percurso desenhado entre o aeroporto de Lisboa, passagem pela Serra de Montejunto, Cabo da Roca e o Guincho.
A marca francesa lançará o seu novo modelo do "segmento B" em duas carroçarias distintas, de 3 e de 5 portas. Este é um automóvel muito importante para a Peugeot. Senão repare, foram vendidos mais de 15 milhões de carros dos modelos 205, 206 e 207, entre 1983 e 2011. A intenção da marca é vender 550.000 carros deste modelo em 2013 no mundo inteiro.
A Peugeot pretende re-conquistar o público feminino e os clientes que procuram um segundo carro a um preço acessível.  As dimensões do 208, nomeadamente a largura (- 2 cm por comparação com o 207) e a altura (- 1 cm) permitem a otimização da aerodinâmica. Sendo a distância entre eixos idêntica à do 207, a adoção de encostos mais compactos nos bancos dianteiros e a otimização global da conceção, permitem, ainda, uma habitabilidade traseira mais generosa para os passageiros (+ 5 cm de espaço para os joelhos comparativamente com o 207) e um acréscimo de capacidade da bagageira: 311 litros abaixo da chapeleira. 

O volume do automóvel parece esculpido pelo vento. Para alcançar uma redução de peso os engenheiros trabalharam em diferentes áreas procurando melhorar os consumos de combustível, a segurança passiva e as performances dinâmicas da viatura.
Um interior prático

O interior do painel de instrumentos é tratado de forma muito tecnológica, com mostradores analógicos que remetem para o ecrã digital no qual a velocidade se encontra visível. Gostei globalmente da qualidade do interior do habitáculo. Alguns plásticos podiam ser de melhor qualidade e a montagem mais cuidada. O ambiente luminoso esteve sempre no centro das atenções dos estilistas, que optaram por uma iluminação predominantemente branca, nomeadamente para os indicadores numéricos, ou por díodos de luz azulada que delimitam de noite o tejadilho panorâmico em vidro - um opcional. A luz interior num carro com as dimensões do 208 transmite uma boa energia a bordo.
Este interior revela-se prático no dia-a-dia, com locais para arrumação, como é o caso do espaço situado à frente da alavanca de velocidades, ou, ainda, das bolsas rígidas nas portas.
Ecrã tátil multifunção

O 208 oferecerá à maior parte dos seus clientes, a partir do 2º nível da gama (o que deverá representar cerca de 80% do mix) um grande ecrã táctil a cores de 7 polegadas. Este ecrã permite aceder facilmente às várias funções: rádio, kit mãos-livres Bluetooth ou leitura de ficheiros musicais através de uma ligação USB ou em streaming áudio.
Primeiras impressões de condução

Ao entrar a bordo do novo Peugeot 208 sou imediatamente surpreendido por um volante visivelmente mais pequeno. A equipa de desenvolvimento preocupou-se em apurar a posição de condução. Após 100 quilómetros de teste não fiquei verdadeiramente convencido, estranhei a colocação do volante. Eu sei que um conhecido cantor da nossa praça gosta de conduzir com a ajuda da perna, a alta velocidade, mas eu aprecio o volante numa posição mais elevada...ou pelo menos com maior possibilidade de regulação. O 208 pretende romper com os códigos estabelecidos para oferecer uma nova ergonomia de condução, a intenção é oferecer facilidade de condução e maneabilidade. Preciso de mais alguns quilómetros ao volante para tirar as dúvidas. O novo Peugeot 208 tem um comportamento muito previsível, convida-nos a desenhar a estrada, tudo acontece com o máximo de segurança. Gostei bastante do desempenho da suspensão e da forma como o carro desenha as curvas. As ilhargas da carroçaria oferecem uma identidade e uma postura diferenciadas entre as silhuetas de 3 e de 5 portas. Uma boa notícia é a introdução de uma versão comercial do 208. Os níveis de equipamento são o Access, Active e Allure.
Os preços variam entre os 12.700 euros do Peugeot 208 1.0 VTi Access 68 CV de potência (3 portas), os 17.150 euros para o 1.4 HDI Active de 68 CV (3 portas), ou o topo de gama 1.6 THP Allure de 156 CV que vale 21.700 euros (3 portas).
A gama é muito alargada e as versões de 5 portas são ligeiramente mais caras. No caso do 208 1.0 VTi Access 68 CV (5 portas) o preço a pagar sobe para os 13.150 euros. A versão 1.4 HDI Active de 68 CV (5 portas) custa 17.600 euros. No caso da carroçaria de cinco portas a versão mais cara é a 1.6 e-HDI de 92 CV de potência com a caixa 2-Tronic que custa 21.600 euros. Pelo meio não perca de vista o bloco 1.2 a gasolina com versões disponíveis a partir dos 13.000 euros. Claro que estes valores são indicativos e sujeitos e alterações e taxas, razão pela qual, os preços são apenas uma referência.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras