Nas Bancas

CARAS Motores: Mitsubishi ASX - O novo SUV japonês

O novo SUV japonês não deixa ninguêm indiferente. O design é atraente, possui muito espaço interior, e um comportamento dinâmico acima da média para este tipo de automóveis

Luís Cáceres
31 de março de 2011, 17:03


São cada vez mais as propostas no planeta SUV! O Nissan Qashqai continua a ser uma das principais referências, mas temos mais, o Peugeot 3008, que pisa maravilhosamente a estrada, o refinado VW Tiguan, o Hyundai IX35 e o renovado Kia Sportage que oferece uma relação preço/equipamento quase imbatível.

Já fui o feliz proprietário de um carro deste tipo. Na minha opinião, as desvantagens de utilização centram-se no comportamento dinâmico "irregular". São carros pesados e com o centro de gravidade elevado. Este é um problema mais comum nos SUV de maiores dimensões, nos compactos não é tão notório ao volante.

As vantagens são conhecidas e mais consensuais. A posição de condução elevada permite uma excelente visibilidade perante a estrada, conseguimos "trepar" até locais onde um automóvel tradicional não consegue chegar, espaço não falta, e as crianças adoram jipes.

No caso do Mitsubishi ASX a dinâmica em estrada surpreende pela disponibilidade do motor. Passo a explicar! O ASX partilha a plataforma do Lancer, usufruindo por isso de suspensões McPherson à frente e multilink atrás, uma base que garante um comportamento muito previsível e até consegue transmitir uma adrenalina de condução muito divertida. O binário de 300 NM permite ao ASX ter a resposta sempre na "ponta da língua". Por outro lado, a altura ao solo e a afinação da suspensão permite sair do asfalto e regressar a casa com carro e as costas em bom estado. A verdade é que o ASX em estrada tem um comportamento muito semelhante ao de um automóvel "tradicional".

A gama de motores inclui dois motores, o 1.6 MIVEC a gasolina, de 117 CV, e o 1.8 Di-D Turbo de 150 CV. O primeiro está associado a uma caixa manual de cinco velocidades, enquanto o bloco diesel é acompanhado pela caixa de seis relações. A tração é dianteira, no entanto, existem versões 4WD associadas ao motor diesel. Fiquei surpreendido pela positiva com os consumos. Em auto estrada, sem abusar, fiz uma média de 5,8 l/100 km. Já na cidade o ASX fica com mais sede e o computador de bordo marcou sete litros.

Os níveis de equipamento são os seguintes: Invite, Instyle e Intense. O Invite oferece sete airbags (incluindo para joelho de condutor), controlo de estabilidade com ajuda de arranque em subidas, sistema start/stop, cruise control, faróis de nevoeiro, ar condicionado automático, CD/MP3, sensores de luz, de chuva e de estacionamento traseiro e jantes em liga de 16 polegadas.

O nível de equipamento Intense é a versão que mostramos nas fotos. Julgo que acaba por ser o mais racional. As jantes de 17 polegadas fazem a diferença, além de que oferece faróis de xénon, vidros escurecidos, o rebatimento dos espelhos, as barras de tejadilho, o teto panorâmico, o Bluetooth e a ligação USB. Já o Instyle junta a isto os bancos em pele, aquecidos e de regulação elétrica e sistema áudio Rockford Fosgate.


CARAS Motores: Mitsubishi ASX - O novo SUV japonês

O habitáculo tem um ambiente clássico. A instrumentação tem bom gosto, os diversos comandos são intuitivos.


A maioria dos materiais é aceitável, embora alguns plásticos sejam medianos, refiro-me aos painéis laterais das portas e da bagageira. Nada de grave!

O Mitsubishi ASX está à venda com um preço a partir de 23.262 euros, no caso da versão Invite, a gasolina. O modelo que vê nas fotos é o 1.8 DI-D ASG Intense e custa 32.362 euros. O ASX mostrou no terreno a razão pela qual foi um seis finalistas do Carro do Ano/Troféu Essilor Volante de Cristal 2011.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras