Nas Bancas

VW Polo em teste

O citadino da marca alemã cresceu, melhorou na forma, no conteúdo e recebeu um motor 1.2 TDI que o torna uma proposta interessante.

Luís Cáceres
23 de setembro de 2010, 19:32

O nosso convidado desta vez é o VW Polo. O "Carro do Ano em Portugal", ou seja, o carro do ano em título, uma das principais referências na classe dos utilitários e citadinos. Em termos visuais, a geração mais recente do Volkswagen Polo foi desenvolvida segundo os mesmos princípios do Scirocco, em 2008, e do Golf. Entretanto, outros modelos da marca alemã seguiram-lhe as pisadas!

A gama total deste automóvel é muito abrangente, se juntarmos as versões de 3 e de 5 portas, são 41 versões e são esperadas mais novidades para breve.

VW Polo em teste

O VW Polo fez a estreia de novos modelos, melhorou na forma e no conteúdo e foi um justo vencedor do Troféu "Carro do Ano" promovido pelas revistas Autosport e Volante. Uma das mais-valias deste modelo é gama de motores muito abrangentes. Senão repare! No caso dos blocos a gasolina é possível escolher o 1.2 (60 ou 70 CV), o 1.2 TSI (105 CV), e o 1.4 (85 CV). No caso dos motores diesel, onde na fase de lançamento tínhamos apenas o motor 1.6 TDI (75, 90, 105 CV), entretanto, já está disponível o novo o bloco 1.2 TDI de 75 CV (o último a chegar ao nosso mercado).

VW Polo em teste

Seis destes motores são inteiramente novos ou são utilizados pela primeira vez no Polo. São blocos que irão chegar gradualmente a diferentes modelos do Grupo VW (Audi, Skoda e Seat). Conseguimos apurar junto dos responsáveis da marca no nosso pais que existe a possibilidade da gama Polo receber, a médio prazo, uma versão renovada da saudosa carrinha que tanto sucesso conseguiu no mercado europeu. Não existe uma confirmação oficial, de qualquer forma a proposta está em cima da mesa.

Ao contrário do que alguma imprensa especializada anunciou no Verão, não está confirmado que a próxima geração da carrinha Passat seja a última a ser produzida e que o modelo venha depois a ser descontinuado devido a uma estratégia de uniformização da Volkswagen.

VW Polo em teste

Conduzi o Polo com o motor 1.6 TDI de 90 CV com tecnologia BlueMotion. Consegui 4,8 litros na cidade, o que é muito aceitável. Diversas marcas anunciam consumos próximos dos quatro litros para percorrer 100 quilómetros mas, depois, na prática, poucos conseguem cumprir. A robustez e a qualidade de construção são visíveis.

Fiquei impressionado com a forma como o "pequeno" Polo rola em autoestrada, o comportamento é digno de uma berlina de segmento médio. Sem oscilações repentinas da carroçaria, tudo acontece da forma que pretendemos. Por vezes, conduzo alguns citadinos em autoestrada e quando ultrapasso os 110 km/h sinto que atingi o limite, é notório que vou muito pendurado no volante. O Polo está mais crescido! Medindo 3970 mm de comprimento (+ 54 mm do que o modelo anterior) e 1682 mm de largura (+ 32 mm), oferece mais agora espaço para a lotação máxima de cinco ocupantes e para a bagagem (entre 280 e 952 litros de capacidade).

VW Polo em teste

Os olhos mais atentos a estas questões dos automóveis gostam de descobrir os pequenos segredos, analisar os diferentes detalhes de cada carro. Ou seja, na maioria das vezes entramos a bordo de uma forma descontraída. O carro está limpo, quase imaculado. No entanto, a verdade é que após dois ou três dias de utilização, e após um olhar mais atento, começamos a encontrar pequenas falhas de montagem. Por exemplo, entramos num carro, olhamos para a zona inferir dos bancos e não gosto de ver os parafusos e as porcas de junção dos apoios dos bancos. Também é comum abrir o porta-bagagens e descobrir plásticos de péssima qualidade em alguns modelos, mesmo de segmentos superiores. Isto no Polo não acontece, é verdade que não é o citadino mais barato, mas a diversidade de versões e a relação preço/qualidade contribuem para a sua boa reputação.

VW Polo em teste

A estruturação dos níveis de equipamento do novo Polo é transportada da anterior geração: Trendline e Trendline Pack para as versões de acesso e Confortline para as versões intermédias. A novidade reside na adição do nível Highline - uma "herança" do Golf - para as versões de topo. Seja como for, o Polo Trendline já se apresenta bem equipado de série em termos de conforto e de conveniência: direção assistida eletro-hidráulica, vidros elétricos dianteiros, fecho centralizado com comando remoto, bagageira iluminada e com pontos de fixação de carga, avisador acústico de luzes acesas, bancos dianteiros reguláveis em altura, espelhos de cortesia iluminados e vidros atérmicos. O interior é reforçado pelos revestimentos em tecido preto "Titanium" e "Metric".

VW Polo em teste

À semelhança de outros modelos recentes da Volkswagen, foram desenhados, para o Polo, novos volantes de três braços. A versão Trendline Pack, vem equipada com volante forrado a pele, semelhante ao do Golf. As versões Confortline e Highline vêm equipadas de série com o volante multifunção em couro. Na sua versão para o mercado europeu, o Polo vem equipado de série com ESP (controlo de estabilidade) e Hill Hold Control (controlo de arranque em subida).

Os preços do VW Polo variam entre os 13.152 euros da versão 1.2 Trendline de 60 CV (3 portas) e os 24.589 euros do 1.6I TDI DSG Cross Polo (5 portas). A novidade é o motor 1.2 TDI de 75 CV que no caso da versão de 3 portas com o nível de equipamento Trendline está á venda a partir de 16.111 euros.

VW Polo em teste

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras