Nas Bancas

Ao volante do novo Renault Mégane

A terceira geração está disponível na configuração Coupé, Berlina e Break. A concorrência que se cuide

Luís Cáceres
18 de fevereiro de 2010, 18:44

O Renault Mégane é um dos automóveis preferidos dos portugueses.


Muitos leitores da CARAS lembram-se certamente da "polémica" gerada em torno do lançamento da anterior geração da berlina Mégane. Muito se discutiu em torno da famosa traseira do carro vendido entre 2002 e 2008.


E se na altura o design dos modelos Avantime e Velsatis conquistaram apenas alguns arquitectos e designers em Portugal, que compraram "meia dúzia de unidades", a verdade é que o Mégane acabou por vender milhares em todo o mundo. Um carro de sucesso da Europa ao Brasil.


Ao volante do novo Renault Mégane
CARAS

O Mégane da segunda geração não foi consensual em termos de design. No entanto, cativou e inovou ao ser o primeiro carro a estrear a famosa chave/cartão, o sistema de ignição Start/Stop, além do "alinhamento" automático de faróis.


Os designers franceses desenham carros com relativa facilidade.


A Renault e o Grupo PSA - Peugeot/Citroën arriscam constantemente no lançamento de automóveis de design arrebatador. Uns são aceites, vendem milhares, outros nem por isso. No caso do novo Renault Mégane primeiro estranha-se, depois entranha-se.


Ao volante do novo Renault Mégane

Durante anos a Mégane Break liderou a tabelas de vendas e contribuiu fortemente para ajudar a Renault a ser a marca líder no nosso país. A terceira geração Mégane tem um design mais conservador. A dianteira segue os traços estilísticos estreados no novo Laguna. De qualquer forma, é notória a evolução em diversas áreas.


O segmento onde está inserido o Renault Mégane é um dos mais competitivos. Entre os seus rivais directos destacamos o Citroën C4, Ford Focus, Fiat Bravo, Honda Civic, Kia Cee'd, Peugeot 308, Seat Leon, Mazda 3, Opel Astra, Toyota Auris e VW Golf.


O Renault Mégane está disponível na configuração Coupé, Berlina e Break. Ao contrário do que aconteceu na geração anterior, a berlina é mais consensual e o equilíbrio de forças nas vendas entre o carro e a carrinha é agora mais equilibrado. Já não são vendidas apenas carrinhas.


Ao volante do novo Renault Mégane

Por esta razão, procuramos ensaiar primeiro a berlina. A escolha recaiu na versão equipada com o motor 1.5 dCi 110 CV, com filtro de partículas (FAP), na versão Luxe.


O comportamento dinâmico em estrada revelou-se eficaz e ágil. Na cidade o pequeno motor 1.5 dCi é suficiente e, mesmo nas viagens mais longas, a caixa de seis velocidades mostrou-se fácil de utilizar permitindo uma condução descontraída. Até atingir a velocidade ideal de funcionamento achei o motor algo ruidoso, nada de grave.


Ao volante do novo Renault Mégane

Consegui médias de 6,7 litros para percorrer 100 km, em circuito misto. O binário máximo de 240 Nm é conseguido às 1.750 rotações.


Gostei da agilidade demonstrada e do conforto proporcionado pela suspensão. Apreciei igualmente do comportamento evidenciado em curva. Para tal contribui a nova direcção de assistência eléctrica, mais directa e precisa. A ajudar uma distância entre-eixos de 2.641 (mm) e as jantes de 16 polegadas.


Ao volante do novo Renault Mégane
CARAS

No caso da versão mais equipada, a marca francesa propõe de série ABS com EDB, controlo de tracção e de estabilidade.


Os materiais que encontramos no interior do habitáculo estão entre os melhores do segmento. É notório que houve uma preocupação em melhorar o nível global de qualidade em relação ao seu antecessor. O tablier e a consola central têm linhas modernas, a instrumentação é maioritariamente digital, com excepção do conta-rotações. Nesta versão existe um pequeno simbolo de aconselhamento para o condutor engrenar ou reduzir uma velocidade e optimizar os consumos.


Ao volante do novo Renault Mégane

Esta versão Luxe oferece o sistema de gestão "interface" de comando redondo para gerir funções como o sistema de navegação (de série neste versão), o rádio, etc.


Existem diversos espaços para arrumação de pequenos objectos. Bem equipado, o espaço nos lugares traseiros acaba por ser penalizado para quem viaja no meio. O túnel central no piso dificulta a colocação das pernas tornado incomodas as viagens mais longas. A capacidade do porta-bagagem é de 405 litros.


Ao volante do novo Renault Mégane

Os preços da berlina Renault Mégane variam entre os 22.000 euros da versão 1.4 a gasolina TCe Dynamique, e os 26.450 euros do 1.5 dCi 110cv FAP ECO2 Luxe. Caso opte pelo motor 2.0 dCi o preço sobe para os 33.506 euros.

Ao volante do novo Renault Mégane

Ao volante do novo Renault Mégane

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras