Nas Bancas

Ao volante do Toyota IQ

O citadino da marca japonesa é um verdadeiro anti-Smart. Divertido de conduzir e económico...é pena que o preço da versão diesel não seja mais acessível.

Luís Cáceres
2 de dezembro de 2009, 12:49

A Toyota inspirou-se no ambiente cosmopolita e urbano das grandes metrópoles para criar o pequeno IQ.

Este automóvel é sem dúvida um anti-Smart. Com praticamente três metros de comprimento e dois de distância entre-eixos, o Toyota IQ é seguro a curvar, estaciona em locais onde outros não o conseguem e revelou-se bastante ágil no meio do tráfego citadino.


Ao volante do Toyota IQ

O Toyota IQ que ensaiámos possuía um bloco de três cilindros, 998 centímetros cúbicos, 68 CV de potência e um binário de 91 Newton metros às 4.800 rpm.


Como seria de esperar, em auto-estrada não é foguete mas, apesar de tudo, permite viajar de uma forma descontraída. A velocidade máxima anunciada é de 150 km/h para uma aceleração dos 0 aos 100 km de 15,3 segundos. Consegui fazer médias combinadas de 6,3 litros. Os 32 litros de capacidade do depósito de combustível limitam ligeiramente a autonomia. Nada de grave!


Ao volante do Toyota IQ

E se exteriormente ninguém fica indiferente ao Toyota mais pequeno, quando entramos a bordo é que compreendemos plenamente o conceito do carro. Os materiais são de boa qualidade, esteticamente apelativo, capacidade para quatro pessoas (o ideal é que viajem crianças nos lugares traseiros) e uma capacidade de carga na bagageira simbólica de 32 litros.


Ao volante do Toyota IQ

Ao volante do Toyota IQ

Onde a Toyota não facilita, como é tradição na marca japonesa, é no capítulo da segurança. O IQ propõe airbag frontais e laterais, para o condutor e passageiro da frente, airbag de joelho para quem conduz, ABS com EDB e controlo de tracção e de estabilidade.


Também no equipamento de conforto proposto de série o pequeno citadino não vacila. É verdade que o sistema de navegação e o bluetooth eram opcionais mas, para compensar, tínhamos leitor de CD, "smart card" com fecho central e botão de start na ignição e computador de bordo. Outra área em que o "nosso" Toyota IQ mostrou qualidades acrescidas foi no funcionamento da caixa automática.


Ao volante do Toyota IQ

A versão mais acessível munida do motor 1.0 de 68 CV custa 13.331 euros, já a unidade diesel mais barata, com o famoso motor 1.4 D-4D de 90 CV, vale 16.951 euros, o que abre caminho a uma concorrência com uma relação preço/equipamento mais interessante.


Ao volante do Toyota IQ

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras