Nas Bancas

13.jpg

O Globo de Ouro de Melhor Ator de Teatro vai para João Perry

Ator distinguido pela terceira vez com este prémio da SIC e da CARAS.

21 de maio de 2017, 23:12

O desempenho de João Perry na peça O Pai valeu-lhe o terceiro Globo de Ouro da sua carreira, na XXII Gala dos Globos de Ouro. O ator, de 76 anos, interpreta um homem que ao envelhecer se vê confrontado com uma nova realidade: a doença de Alzheimer.
“Muito obrigado e muito boa noite a todos. Acreditem que é para mim uma grande satisfação estar aqui hoje e comecei a ter consciência disso nos últimos tempos que tenho vivido. [Sinto agora] que é a valorização de certos momentos que acontecem e que a gente toma como banais e que depois passam a ser lembrados como especiais e que é importante não perder tempo para usufruir desses momentos. Eu quero agradecer este prémio, mas ele não é só meu. Como sou um ator, estou dependente de uma companhia, de uma escolha, de um encenador, de uma equipa técnica, de uma equipa de produção e de uma equipa artística. E isso tudo devo ao Teatro Aberto, que, infelizmente, tem um subsídio que é um bocado banal a gente queixar-se nestes momentos em que estamos a festejar, mas que é realmente injusto e precisava ser revisto urgentemente, não ser só um propósito adiado. Porque é necessário manter a possibilidade de nós fazermos teatro com equipas que ainda acreditam no espetáculo, na nossa relação com o público e na possibilidade de pormos em prática antes de desaparecermos aquilo que sabemos fazer. Eu tenho 65 anos desta prática, o que é bastante arqueológico. Eu nunca pensei durar tanto tempo, mas devo dizer que só tenho consciência que passou tanto tempo quando olho o espelho nos momentos negativos, porque de contrário parece-me ser uma coisa banal porque eu tenho realmente muito prazer em fazer aquilo que faço”, disse João Perry.

João Rui Morais Sarmento Paquete, conhecido como João Perry nasceu a 21 de julho de 1940, em Lisboa. Vindo de uma família ligada à arte de representar, estreou-se no Teatro Nacional Dona Maria II quando tinha apenas 12 anos, na peça Rapaziadas. Nos anos seguintes entrou também no elenco de Três Rapazes e Uma Rapariga (1957), onde trabalhava ao lado de Vasco Santana.
O desejo de aprender levou-o a ir estudar para Nova Iorque em 1971. Passou ainda longos períodos de tempo em África e em França. No regresso, trabalhou em vários teatros lisboetas, e fez comédia e revista. Entre os espetáculos mais famosos em que participou nesta época estão Romeu e Julieta(1961-1962), Joana de Lorena (1964-1965) e O Homem que Fazia Chover (1966).
Escreveu algumas peças, entre elas Stolen Words, e encenou outras – Zerlina, de Broch (1988), A Disputa, de Marivaux (1995), Sonho de Uma Noite de Verão, de Shakespeare (1996) – mas nunca teve a pretensão de ser mais do que um ator. Estes projetos apenas lhe permitiam ganhar mais experiência na representação.
Em 1991 fez sucesso em Passa por Mim no Rossio, onde recriou Almada Negreiros.
Em 1997, trocou o Teatro Nacional Dona Maria II pelo Teatro Aberto, para onde foi trabalhar como ator e encenador.
Ao longo da sua carreira, João Perry participou também diversos filmes, como Raça (1960),Fragmentos de um Filme Esmola, a Sagrada Família (1972), Crónica dos Bons Malandros (1981),Sem Sombra de Pecado (1982), Um Adeus Português (1985), Vale Abraão (1993) e Tráfico (1998).
É também conhecido do público pelos inúmeros projetos televisivos que já integrou. Entre eles Vila Faia (1982), a primeira telenovela portuguesa, A Banqueira do Povo (1993), Na Paz dos Anjos(1994), Riscos (1998), Ajuste de Contas (2000), O Jogo (2002), Fascínios (2008), A Outra (2008),Sentimentos (2009), Deixa Que te Leve (2010) e Sedução (2010).
Em 2002 recebeu o Globo de Ouro de Melhor Ator de Teatro, pelo papel na peça A Visita (2001) e o desempenho em O Preço (2013), volta a valer-se uma distinção na mesma categoria. Neste espetáculo, João Perry dá vida a Salomão, um sábio comprador de móveis que Arthur Miller pôs a falar dos desejos do homem.
Em 2013 integrou também o elenco da novela Sol de Inverno, da SIC, vestindo a pele de Adelino Ferreira, pai de uma das protagonistas da trama, Sofia Ferreira Bívar, interpretada por Rita Blanco.
No ano seguinte foi eleito Melhor Ator de Teatro pela SIC e a CARAS, pelo papel na peça O Preço. Nessa gala, sob fortes aplausos do público, João Perry afirmou: “Eu geralmente não venho a festas e então com esta proporção é realmente emocionante. Muito obrigado pelo prémio, eu fiz o habitual, mas desta vez sublinharam o meu desempenho”.
Atualmente, o ator integra o elenco da novela A Impostora, da TVI.
Na mesma categoria estavam nomeados João Pedro Mamede (na peça Jardim Zoológico de Vidro), Pedro Almendra (na peça Os Últimos Dias da Humanidade) e Rúben Gomes (na peça O Rio).

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras