Nas Bancas

Gisela João distinguida em noite de gala

A fadista arrecadou o Globo de Ouro de Melhor Intérprete Individual na XIX Gala dos Globos de Ouro.

Redação CARAS
19 de maio de 2014, 01:12

João Manzarra e Sónia Tavares entregaram a Gisela João o galardão de Melhor Intérprete Individual, na Gala do Ano, que animou este domingo o Coliseu dos Recreios. “Obrigada a todas as pessoas que apoiam o meu trabalho, ao Hélder Moutinho, ao meu manager, à minha família e às minhas amigas. É uma honra estar nomeada ao lado destes três gigantes, entre eles o Camané que é o meu Deus. Aos meus fãs que todos os dias me enviam mensagens maravilhosas pelo Facebook, Eu conto por vocês e canto as histórias que canto para vocês”, disse a fadista emocionada.

Natural de Barcelos, onde cresceu, Gisela João mudou-se primeiro para o Porto, onde viveu durante seis anos e há dois trocou o norte do país por Lisboa. “Sendo a mais velha de 7 irmãos, de uma família ligada pelo trabalho à indústria têxtil, teve, ainda criança, o primeiro contacto com o Fado através da rádio e começou logo a cantá-lo. Primeiro para a família, depois para os amigos e vizinhos e finalmente em concursos locais”, pode ler-se na página oficial do Facebook da fadista.
Começou por estudar design de moda, mas depois de cantar numa casa de fados da Ribeira percebeu que era esse o seu caminho e rumou à capital e, mais precisamente, à Mouraria. Cantou no Sr. Vinho, na Tasca da Bela, na Mesa de Frades antes de encher salas como a Fábrica do Braço de Prata e o Auditório do Centro Cultural de Belém.
O álbum de estreia chegou às lojas a 1 de julho de 2013. “(…) Faz-me pensar nas voltas que o mundo dá. Aquela teoria de que a História se repete. Inconscientemente ou não, dou por mim a pensar nas grandes fadistas da geração dos anos sessenta e de como é que seria se ela tivesse nascido nessa altura e tivesse vivido esses tempos da canção de Lisboa. Por outro lado, dou comigo a olhar para os meus discos de vinil e dá-me uma vontade estranha de ir ouvir os primeiros registos das grandes cantoras internacionais. Como é que seriam algumas delas se cantassem o Fado? O primeiro disco da carreira de um artista é provavelmente um dos mais importantes. Ainda bem que este foi tratado com esse respeito, e com a coragem de tomar como referência este universo. Trazê-lo para o presente, a pensar no futuro, para que com isso se possa construir o início de uma grande carreira”, explica Gisela João, de 30 anos, referindo-se ao seu primeiro trabalho.
As pessoas identificam-na pela sua voz grossa e pelo facto de pegar no fado tradicional para o transformar em algo contemporâneo, num estilo muito próprio.
Na mesma categoria estavam nomeados Camané, com o CD O Melhor 1995/2013, Paulo Gonzo, com os CD’s Duetos e Só Gestos, e Pedro Abrunhosa, com o CD Contramão.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras